compartilhar

"ESCOVÃO NÃO SE EMENDA, HEM!": Mesmo preso na Papuda, ex-senador Luiz Estevão vira réu mais uma vez

Empresário é acusado de ter doado imóvel para agente da Papuda em troca de privilégios. Defesa nega.

O ex-senador Luiz Estevão, que cumpre pena de 26 anos de prisão em Brasília —

Mesmo preso na Penitenciário da Papuda, em Brasília, o ex-senador Luiz Estevão virou réu, mais uma vez, por corrupção.

O empresário foi denunciado pelo Ministério Público do Distrito Federal, no começo de janeiro, por ter "oferecido vantagens indevidas a carcereiros" em troca de tratamento diferenciado na prisão.

Entre as vantagens, estaria a doação de um imóvel para um agente penitenciário. O recebimento da denúncia, pela Justiça, foi confirmado pelo advogado de Luiz Estevão no começo da tarde desta quarta-feira (30).

Marcelo Bessa disse ao G1 que "a defesa tem certeza de que o Poder Judiciário irá absolver Luiz Estevão". O processo corre em segredo de Justiça.

Trecho da decisão que fala sobre suposta doação de imóvel de Luiz Estevão — Foto: Reprodução

Trecho da decisão que fala sobre suposta doação de imóvel de Luiz Estevão — Foto: Reprodução

A denúncia sobre a doação de um imóvel para um dos agentes da Penitenciária da Papuda em troca de privilégios chegou à Vara de Execuções Penais (VEP) no final de 2016. Ela foi entregue, de forma anônima, para a juíza Leila Cury.

O caso terminou com o indiciamento do senador cassado por corrupção passiva.

O ex-senador e empresário cumpre pena de 26 anos depois de ter sido condenado por fraudes e desvios nas obras do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo. Essa sentença já transitou em julgado, ou seja, não pode ser alvo de novos recursos.

Reforma na cela, cafeteira, macarrão importado e chocolate

Banheiro de ala de unidade da Papuda 'normal' (esquerda) comparado com banheiro na ala onde Luiz Estevão cumpre pena (direita) — Foto: Ministério Público do DF/Divulgação

Banheiro de ala de unidade da Papuda 'normal' (esquerda) comparado com banheiro na ala onde Luiz Estevão cumpre pena (direita) 

Em março de 2017, uma inspeção na cela de Luiz Estevão encontrou itens proibidos como chocolate, cafeteira elétrica, cápsulas de café, macarrão importado e cinco pen drives. As buscas foram autorizadas pela Justiça e motivadas pela denúncia, feita por um detento, de que políticos estariam recebendo “regalias” na prisão.

Após a inspeção, a Justiça do Distrito Federal determinou que o ex-senador ficasse isolado no Complexo da Papuda por “falta disciplinar”. Ele ficou 10 dias no Pavilhão Disciplinar e o diretor do Centro de Detenção Provisória (CDP), Diogo Ernesto de Jesus, foi exonerado.


Luiz Estevão também é acusado pelo Ministério Público de financiar a reforma do bloco onde cumpre pena. O ex-subsecretário do Sistema Penitenciário (Sesipe) Cláudio Magalhães, o ex-coordenador-geral da Sesipe João Helder Ramos Feitosa e o ex-diretor do Centro de Detenção Provisória (CDP) Murilo Cunha também foram denunciados "por serem coniventes com a regalia".

Considerada "luxuosa" em comparação ao restante da unidade, a ala de vulneráveis ocupada por Estevão tem sanitário e pia de louça, chuveiro, cortina, tapete, cerâmica e paredes pintadas. Segundo o MP, a reforma foi paga por meio de uma empresa de fachada.

 

Estevão é 'dono' do presídio, diz delegado

 

Documentos atribuídos ao senador cassado Luiz Estevão foram apreendidos pela Polícia Civil — Foto: Polícia Civil do DF/Divulgação
Documentos atribuídos ao senador cassado Luiz Estevão foram apreendidos pela Polícia Civil

Durante uma inspeção na cela do ex-ministro José Dirceu na Papuda, também em março de 2017, a Polícia Civil encontrou uma anotação em um caderno lembrando o político de pedir autorização ao senador cassado Luiz Estevão para conseguir uma visita fora do horário permitido.

A informação foi dada ao G1, na época, pelo delegado da Divisão de Facções Criminosas (Difac), Thiago Boeing. Dirceu e Estevão ficaram juntos no bloco 5 do Complexo Penitenciário da Papuda.

De acordo com o delegado da Difac, foram encontradas na biblioteca da ala – comum a todos os detentos – diversas pastas de documentos ligados ao senador cassado Luiz Estevão.

 

"A biblioteca da ala mais parecia um escritório do Luiz Estevão do que um lugar com livros. Encontramos pastas com diversos documentos das empresas dele", afirmou.

 

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS