Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

CONFUSAO EM ÁGUAS CLARAS: Em faixa, administrador regional é acusado de coagir ambulantes

Administração negou intimidação. Secretaria Adjunta das Cidades também informou não ter recebido nenhuma denúncia

Uma faixa colocada na praça da Estação Arniqueiras, em Águas Claras, gerou repercussão após ter sua foto veiculada nas redes sociais, na noite desse domingo (3/2), pelo ex-vice-governador do Distrito Federal Renato Santana (PSD).

 Na mensagem, o administrador regional Ney Robsthon Otaviano de Almeida é acusado de ameaçar vendedores ambulantes.

“Eu mesmo tirei a foto e coloquei nas redes, com o intuito de chamar a atenção do governo para resolver este problema”, disse Santana. “A sugestão é o diálogo, buscar disciplinar o comércio ambulante. O Estado não pode fechar os olhos para essa realidade. Há um drama social e não se pode fingir que eles não existem”, completou o político.


Outra faixa foi destacada nas redes sociais, também sem assinatura. Até a última atualização desta reportagem, não foi identificado o local ou a data de colocação dela.

Facebook/Reprodução

Segundo Román Cuattrin, presidente da Associação de Moradores de Águas Claras, grande parte dos vendedores da cidade está em situação irregular. “Todos têm que se adequar à legislação, que muitas vezes envolve também pagamento pelo uso do espaço”, diz. “Vários destes estabelecimentos atrapalham as ruas e deixam sujeira, ou então trazem barulho até tarde da noite. Não somos contra, apenas precisamos de uma regularização”, defende.


A Administração Regional de Águas Claras afirmou, por meio de nota, que Ney Robsthon não intimidou os comerciantes. Segundo o órgão, o responsável pela confecção das faixas seria um proprietário de uma tenda irregular. A Secretaria Adjunta das Cidades informou não ter recebido, formalmente, nenhuma denúncia relacionada ao assunto.

De acordo com a versão da administração, um vendedor compareceu exaltado na sede do órgão nessa sexta-feira (1º/2) para falar sobre ocupações.

 

O administrador, que estava em outra reunião, não pôde atendê-lo na ocasião. “O ambulante foi prontamente atendido pela assessoria jurídica. Não satisfeito, espalhou faixas na localidade com inverdades a respeito do fato ocorrido”, ressalta a nota.

“O administrador entende a necessidade daqueles ambulantes que trabalham para o sustento de suas famílias e jamais irá agir com desrespeito. Sobre a regularização de ambulantes, a administração aguarda normas da 
Secretaria das Cidades”, completou

 


 

Fonte: *Via Metropole/Clipping

COMENTÁRIOS