Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

IMAGENS NOVAS: Tv digital chega em 6 meses; sinal analógico será desligado em Brasília

Nova tecnologia a substituirá de vez em outubro. Para não comprar uma TV nova, é preciso um conversor

O fim do sinal analógico está mais próximo do que se imagina. Em Rio Verde (GO), ele  foi totalmente desligado no dia 15 de fevereiro. A cidade foi a primeira a ter apenas TV digital.

 

 

Brasília e mais nove municípios goianos que compõem a Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (Ride-DF) receberão apenas o sinal digital ainda neste ano, em 26 de outubro. 


A capital federal será a segunda cidade a ter o sinal analógico encerrado.

Os municípios goianos que serão beneficiados com o sinal digital são os afetados pelo desligamento do sinal analógico em Brasília.


Quem ainda possui televisões antigas deve providenciar um aparelho conversor para ter o sinal digital em casa.

 

Caso contrário, a TV não pegará nenhum canal. O problema é que nem todo mundo tem condições financeiras para comprar o conversor, que varia de R$ 90 a R$ 200 e pode ser encontrado em lojas de produtos eletrônicos, em feiras e na internet.


Procura aumenta

Wúllio Sales, vendedor de uma banca na Feira dos Importados, relata que a procura pelo aparelho conversor aumentou muito nos últimos meses. 


“Nós nem vendíamos conversores, mas decidimos comprar algumas unidades para testar se teria saída e deu muito certo.

 

Desde outubro, a demanda aumentou, e vendemos, pelo menos, 16 conversores para televisão. Como a tendência é ter mais gente comprando o aparelho, já fizemos uma encomenda com uma grande quantidade”, explicou o vendedor. 


Na loja em que Wúllio trabalha, o aparelho mais barato custa R$ 90, e o mais caro, R$ 180. No entanto, o preço é negociável de acordo com a forma de pagamento. O cliente que paga em dinheiro tem desconto. 


Dois tipos

De acordo com o vendedor, são dois tipos de conversores: o mais simples, que não possui controle remoto, e o mais moderno, que, além do controle, tem entrada multimídia e entrada para pen drive.

 

Segundo Wúllio Sales, o aparelho é muito simples de instalar e não necessita de técnico para fazer o serviço. O vendedor acredita que as pessoas ainda optam pelo conversor mais simples por desconhecerem a funcionalidade do mais moderno.


Versão oficial

O GDF esclarece que o desligamento do sinal analógico é de responsabilidade do Governo Federal, especificamente do Grupo Gestor de Implantação do Processo de Redistribuição e Digitalização de Canais de TV e RTV (Gired), do qual fazem parte o Ministério das Comunicações, a Anatel, representantes de radiodifusoras e empresas vencedoras da licitação da subfaixa de 700 MHz, que será liberada a partir da transição de canais UHF para o Sistema Brasileiro de Televisão Digital Terrestre (SBTVD-T).


O papel do GDF limita-se a apoiar ações das instâncias federais. Todas as famílias beneficiárias do Bolsa Família receberão gratuitamente kits com conversores digitais, filtros e antenas.

 

Na Grande Brasília, são cerca de 80 mil famílias. As estratégias de distribuição dos kits são definidas pelo Gired e executadas pela Entidade Administradora do Processo de Redistribuição e Digitalização de Canais de TV e RTV (EAD). Além disso, as famílias cadastradas no CadÚnico também receberão os kits.


"Sem condições financeiras"

A costureira Maria de Jesus Santos, 57 anos, tem três televisores em casa, mas alega que a renda mensal não comporta comprar um conversor. “O dinheiro que ganho mal dá para sustentar a casa. Eu uso a televisão para assistir aos noticiários, mas meus netos chegam da escola e querem ver desenho ou filme, por isso, tenho mais de uma TV para evitar briga”, relatou.


Maria afirma que, mesmo com dificuldades, vai tentar comprar, pelo menos, um conversor, pois não daria conta de ficar sem televisão em pleno século 21. “A TV é uma distração, ainda mais aqui que tem muita gente. Sei que vai ter confusão, mas o meu dinheiro só dá para colocar conversor em uma. É melhor que ficar sem nada”, contou.


Ana Costa, 32 anos, auxiliar de serviços gerais, está preocupada com a vinda do sinal digital. Ela também diz que não tem condições de comprar um aparelho para sua televisão. “Não vou deixar de comprar comida para comprar um conversor digital. Em plena crise que vivemos, somos obrigados a comprar um aparelho se quisermos continuar assistindo televisão. Acho injusto com as pessoas carentes. A televisão vai ficar parada porque não tenho dinheiro”, afirmou. Ela tenta conseguir o benefício Bolsa Família para manter a casa.


O pedreiro Robson Oliveira, 23 anos, sabe que o sinal analógico será desligado nos próximos meses. Mesmo assim, não pesquisou preços de conversores. “Vai melhorar muito porque teremos canais bem nítidos. Vai ser bem melhor assistir a uma televisão limpa, sem chuviscos. Porém, vai pesar no bolso de todo mundo. Mas é melhor comprar esse aparelho que uma TV nova”, avaliou. Ele possui duas televisões antigas em sua residência.


Valores

A obrigatoriedade da distribuição gratuita dos kits às famílias de baixa renda foi estabelecida em edital de licitação da subfaixa de 700 MHz. Hoje ocupada por canais de TV analógica que operam em UHF, a subfaixa de frequência será liberada para ampliar o Serviço Móvel Pessoal (telefonia celular) com uso da tecnologia 4G. Esse processo, conhecido como Dividendo Digital, propiciará maior cobertura em áreas rurais e melhor recepção do sinal 4G em ambientes indoor localizados em centros urbanos. 


Em contrapartida à exploração da subfaixa liberada pelo Dividendo Digital, as empresas vencedoras do edital de licitação para uso da subfaixa (Telefônica/Vivo, Claro, Algar e Tim) se comprometeram a destinar R$ 3,6 bilhões para comprar equipamentos e pagar custos de operacionalização, divulgação e distribuição dos kits às famílias beneficiárias do Programa Bolsa Família e às integrantes do CadÚnico. O  processo é implementado pela Entidade Administradora do Processo de Redistribuição e Digitalização de Canais de TV e RTV (EAD), sob orientação do Grupo Gestor de Implantação do Processo de Redistribuição e Digitalização de Canais de TV e RTV (Gired).(*Por:Jurana Lopes)

 

Fonte: *JBr - Clipping

COMENTÁRIOS