Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

IMPEACHMENT: Manifestação em Brasília reúne 100 mil pessoas na Esplanada dos Ministérios. VEJA VÍDEOS

Faixas de humor, Pixuleco, homenagens a Sérgio Moro e gritos contra o PT deram o tom à manifestação Por volta das 12h, público começou a se dispersar da Esplanada dos Ministérios


Assim como ocorre no restante do país, os brasilienses saíram às ruas neste domingo para protestar contra o governo de Dilma Rousseff.


De acordo com a Polícia Militar, mais de 2 mil policiais estiveram no local para garantir a segurança de todos.

 

Durante toda a manhã, o clima foi totalmente pacífico para pedir o impeachmente da presidente Dilma e para demonstrar apoio ao juiz Sérgio Moro.  De acordo com a Polícia Militar, mais de 2 mil policiais fizeram a segurança no local. 

 

Com o apoio de carros de som e mais de 5 mil balões brancos para simbolizar a paz, cerca de 100 mil manifestantes, segundo a Polícia Militar, tomaram conta da Esplanada .


       Os protestos em Brasília a favor da saída de Dilma Roussef da Presidência da República reuniram cerca de 100 mil pessoas na manhã deste domingo (13/3). A concentração começou logo cedo e, por volta das 12h, o público começou a se dispersar. Os manifestantes se concentraram na Praça do Museu e seguiram em caminhada, durante cerca de 2 km, até a Praça dos Três Poderes.

Vestidos com com roupas nas cores verde e amarelo, eles car-regaram faixas de apoio ao juiz da Lava-Jato, Sérgio Moro, se fantasiaram de "Lula na cadeia" e tinham muitas faixas que pediam o fim da corrupção no país e o impeachment de Dilma. 

Durante a manifestação, um grupo fez uma 'ola' no gramado do Congresso. Com o Hino Nacional cantado em coro, o protesto foi encerrado.

De acordo com a Polícia Militar, não ocorrência de ato violento, apenas registro de extravio de documentos e atendimento de pessoas com mal-estar. Em meio ao povo, estava o senador Álvaro Dias (PV-PR), vestido com uma camiseta com a frase "Diretas Já", e o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ).

                              

 

COMENTÁRIOS