compartilhar

"GUARDADOS": Ladrões que explodiram caixas eletrônicos em shopping, hotel e até na sede do GDF são presos

Polícia Civil identificou ex-funcionário de delegacia entre os suspeitos. Relembre os casos.

A Polícia Civil prendeu o grupo suspeito de coordenar ataques a caixas eletrônicos no Distrito Federal.

O primeiro roubo ocorreu no anexo do Palácio do Buriti, em julho de 2018, e o mais recente, em março deste ano, em um hotel de Brasília.

Até a manhã desta segunda-feira (13), cinco homens estavam presos, e dois suspeitos permaneciam foragidos.

Segundo a corporação, os detidos teriam confessado os crimes.

Veja lista de roubos coordenados pela quadrilha:

Entre os presos está um ex-funcionário de uma delegacia do DF. De acordo com a investigação, ele é suspeito de vazar informações sigilosas para a quadrilha. Até a última atualização, a polícia não tinha informado qual cargo o homem ocupava.

A Polícia Civil informou que, durante os assaltos, o grupo sempre agia da mesma forma – usando um explosivo artesanal feito com pólvora de rojão para explodir os terminais de autoatendimento.

Os suspeitos foram presos em Santa Maria e em cidades do Entorno do Distrito Federal. A operação foi batizada de Hefesto, que, na mitologia grega, representa o deus do fogo, dos metais e da metalurgia.

 

Roubos em série

 

 

  • Hotel Golden Tulip

 

Entre os roubos identificados como de autoria do grupo, o mais recente e de maior repercussão foi na garagem do Hotel Golden Tulip, que fica a 750 metros do Palácio da Alvorada – residência oficial da Presidência da República.

Na madrugada de 28 de março, ladrões fortemente armados invadiram a garagem subterrânea do hotel e fugiram levando R$ 400 mil.

Funcionários do hotel chegaram a ser rendidos e sofreram ferimentos leves. Imagens de câmeras de segurança mostraram a ação dos suspeitos, que durou menos de dois minutos.

  • Anexo do Palácio do BuritiÁrea isolada no Anexo do Buriti após explosão de caixa eletrônico — Foto: Reprodução/TV Globo

 

Em julho do ano passado, ladrões explodiram dois caixas eletrônicos no anexo do Palácio do Buriti, sede do GDF. A explosão ocorreu por volta das 3h30.

Com o impacto dos explosivos, as janelas de vidro ficaram destruídas. A área foi isolada. No local, R$ 6 mil e cápsulas de munição ficaram para trás.

Os assaltantes fugiram em um carro com a placa clonada, mas abandonaram o veículo queimado em um gramado perto do Autódromo Nelson Piquet.

Os suspeitos estavam armados com fuzis de uso restrito e usaram luvas e máscaras na ação. Ao irem embora, atiraram quatro vezes paro o alto. Ninguém se feriu.

 

  • Shopping Pier 21

 

Em outubro, o grupo também explodiu um caixa eletrônico do shopping Pier 21. Segundo a a Polícia Militar, houve troca de tiros, e um carro da corporação foi atingido por oito disparos. Nenhum policial se feriu, mas segundo um vigilante, um dos suspeitos foi baleado durante a fuga.

  • Gilberto Salomão

 

Já em dezembro, ladrões explodiram dois caixas eletrônicos em um supermercado no shopping Gilberto Salomão, no Lago Sul. O caso ocorreu na madrugada, por volta das 3h20.

Os equipamentos estavam na parte interna do mercado. Com o impacto da explosão, os vidros se quebraram. Após o crime, os homens fugiram em um carro branco até uma floricultura, que fica na Epia Sul. Lá, eles pararam um motorista e fugiram no veículo dele.

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS