compartilhar

COVARDIA COM A HISTÓRIA: Grande Brasília registra 118 casos de violência contra idosos só neste ano de 2019

Dados foram divulgados pelo Tribunal de Justiça. Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa neste sábado.

De janeiro a maio de 2019, a Central Judicial do Idoso (CJI) do Tribunal de Justiça registrou 118 casos de violência contra idosos no Distrito Federal.

Desse total, 17 foram agressões físicas e 31 psicológicas.

O órgão também informou que, nesse período, contabilizou 26 ocorrências de abusos financeiros e 29 casos de negligência.


Os dados foram divulgados na semana de conscientização da violência contra a pessoa idosa. Neste sábado (15) é celebrada a data, que foi instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Somente neste ano, a Central Judicial do Idoso realizou 1.266 atendimentos.

Segundo o órgão, em quase 60% dos crimes, os agressores eram parentes. Brasília, Ceilândia e Taguatinga foram as regiões com mais registros.

A 2ª Vice-Presidente do Tribunal de Justiça, desembargadora Ana Maria Duarte, ressalta a importância da denúncia:

"Qualquer pessoa que tome conhecimento de uma situação dessa deve encaminhar a notícia para os poderes competentes e ao Ministério Público. A fonte da denúncia é protegida pela justiça".


Para a coordenadora da CJI, juíza Monize da Silva Freitas, em conflitos familiares, decorrentes de relações continuadas, a intervenção judiciária tradicional é incapaz de solucionar a questão sociológica e de restabelecer a paz. Por isso, desde abril de 2014, a CJI passou a promover mediações.

 

“Nossas abordagens visam trazer reflexões sobre o envelhecimento, sobre essa nova velhice que tem saúde e doença, atividade e inatividade, conquistas e desafios. Sobre a velhice de quem perde e ganha ao mesmo tempo."

 

Dados da CJI mostram que as famílias submetidas a esses processos têm menor risco de praticar condutas criminosas em relação aos seus idosos. E que gradualmente mais famílias estão buscando esse tipo de apoio no judiciário.

Casos recentes

 

No último domingo (9), um casal de idosos foi encontrado com sinais de abandono em um apartamento no Cruzeiro. A Polícia Militar foi chamada e encontrou uma mulher de 79 anos e o marido dela, de 87, em condições insalubres dentro do imóvel.

Em 29 de maio, um homem de 63 anos foi preso em flagrante por suspeita de manter três idosos sob condições de maus-tratos em uma casa do Jardim Botânico.

As vítimas eram a mãe dele, de 87 anos – que sofre do mal de Alzheimer–, o irmão de 62 anos, diagnosticado com esquizofrenia, e uma cuidadora da família, de 77 anos, com deficiência auditiva e mental.

Idosos vítimas de maus-tratos resgatados de casa no Jardim Botânico, no DF — Foto: PCDF/Divulgação 
Idosos vítimas de maus-tratos resgatados de casa no Jardim Botânico

De acordo com a Polícia Civil, os idosos viviam em "condições precárias" em um quarto dos fundos da casa. As investigações apontaram que as vítimas não tomavam banho há bastante tempo, e o local era "reduzido, quente, insalubre e fétido".

 

Mediação dos conflitos

 

Os três principais tipos de violência praticados contra a pessoa idosa são psicológica (31,12%), negligência (30,03%) e financeira (17,64%), de acordo com dados coletados pela CJI, do Disque 100 e do Nepav, entre 2008 e 2016. A mediação de conflitos sobre esses temas pode interromper o caminho de violência nas famílias.

"Com o fortalecimento dos vínculos familiares e a consequente consolidação das relações interpessoais baseadas no respeito, toda a sociedade é impactada, sobretudo em face da diminuição dos conflitos", afirma a coordenadora da CJI, juíza Monize da Silva Freitas.

Segundo Núcleo de Mediação do Idoso, de abril de 2014 a dezembro de 2018, foram realizadas 642 pré-mediações, 160 mediações e 98 acordos, com 1769 pessoas atendidas.

A Central Judicial do Idoso tem como principais objetivos garantir a efetiva aplicação do Estatuto do Idoso, prover a comunidade do DF de informações, promover a articulação com instituições para atendimento das demandas existentes e assessorar autoridades competentes.

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS