compartilhar

VERBA INDENIZATÓRIA: Deputada distrital Jaquenline Silva usa carro alugado com dinheiro público para ir a academia

Ela usou dinheiro de verba indenizatória para alugar veículo. Parlamentar diz 'estranhar repercussão'. Fato ocorreu em Santa Maria

A deputada distrital Jaqueline Silva (PTB) foi flagrada usando uma caminhonete alugada com recursos públicos para ir a uma academia em Santa Maria, cidade-satélite de Brasília.

O veículo foi alugado com dinheiro da verba indenizatória, repassada a parlamentares para custeio exclusivo de despesas com a atividade parlamentar.

Resultado de imagem para jaqueline silva dfEm um vídeo que circula nas redes sociais, o carro utilizado por Jaqueline, de cor rosa choque, aparece em frente à academia em que a deputada malha (veja vídeo acima).

O G1 entrou em contato com o estabelecimento, e uma funcionária confirmou que a parlamentar faz exercícios no local.

Em nota enviada ao G1, a assessoria de imprensa da deputada distrital informou que "vê com estranheza a repercussão midiática do uso da verba indenizatória, regulamentada oficial e publicamente por meio do ato da Mesa Diretora da Câmara Legislativa".

Caminhonete "rosa choque" alugada pela deputada foi flagrada em frente à academia em Santa Maria,  — Foto: Arquivo pessoal
Caminhonete "rosa choque" alugada pela deputada foi flagrada em frente à academia em Santa Maria

Até a publicação desta reportagem, a Câmara Legislativa do Distrito Federal não tinha se manifestado sobre o assunto.

 

Verba Indenizatória

 

A verba indenizatória foi instituída em 2002 e, desde então, tem sido usada por deputados distritais para ressarcir despesas com locação de imóveis e de veículos, material de expediente, combustível e contratação de consultoria pelo gabinete, entre outros.

O ato que criou o recurso, no entanto, prevê que o dinheiro seja utilizado para reembolsar "despesas pagas exclusivamente no exercício da atividade parlamentar".


Os valores também não podem ser empregados na aquisição de equipamentos ou materiais permanentes – computadores e mobiliário, por exemplo – ou em despesas de capital federal, como a compra de títulos públicos ou de imóveis para uso do mandato.

No ano passado, a Câmara Legislativa do Distrito Federal chegou a discutir a possibilidade de acabar com o benefício. Dois meses depois, no entanto, os deputados distritais decidiram manter a verba indenizatória.

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS