compartilhar

MAU-EXEMPLO: TJ-DF manda presidente da Codhab desocupar imóvel irregular onde mora, no Park Way

Ex-distrital Wellington Luiz construiu casa em lote da Caesb. Defesa afirma que vai recorrer.

A juíza Mara Silda Nunes de Almeida, da 8ª Vara de Fazenda Pública do Distrito Federal, determinou ao presidente da Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab-DF) e ex-deputado distrital, Wellington Luiz, que desocupe terreno onde construiu imóvel irregular, no Park Way.

A decisão é de primeira instância e cabe recurso.

Resultado de imagem para casa de wellington luiz no park way da caesb

A sentença prevê ainda que a efetiva desocupação do espaço só deve ocorrer após o trânsito em julgado do processo, ou seja, quando não houver mais nenhum recurso possível.

Procurada pela TV Globo, a defesa de Wellington Luiz informou que “já entrou com recurso no Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJ-DF) e aguarda uma decisão” (veja íntegra abaixo).

 

Disputa judicialImagem relacionada

 

A ordem de desocupação atende a um pedido da Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb), dona do terreno ocupado irregularmente pelo presidente da Codhab.

Originalmente, a área era de propriedade da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), mas foi doada à Caesb.

Segundo a empresa, o espaço fica próximo ao reservatório do Catetinho e o muro da casa construída pelo ex-parlamentar “pode comprometer a plena segurança das atividades de abastecimento”.

Resultado de imagem para casa de wellington luiz no park way da caesb

A Caesb alega que o imóvel é importante porque tem localidade estratégica para atender serviço público de abastecimento, e que há restrição ambiental para ocupação, pois se trata de área de proteção ambiental. Por isso, pediu a reintegração de posse do terreno.

Já o ex-distrital Wellington Luiz solicitou à Justiça usucapião do imóvel, ou seja, o direito à posse da área por utilização prolongada.

 

No processo, o presidente da Codhab afirma que comprou o lote em 1996 e o ocupa há 15 anos. Portanto, gostaria de compra-lo da Caesb.

 

Entendimento da juíza

 

Ao analisar o caso, no entanto, a juíza Mara de Almeida entendeu que não há como ceder o direito da terra ao ex-distrital. Para ela, a ocupação do espaço por imóvel particular tem potencial para causar prejuízos ao meio ambiente e à ordem urbanística do Distrito Federal.

“Ficou demonstrado que há diversos motivos jurídicos que impedem a obtenção do domínio do imóvel pela usucapião ou por qualquer outro instrumento jurídico, além da ocupação do imóvel pelos autores representar um enorme prejuízo ambiental e urbanístico para a coletividade do Distrito Federal, razão pela qual o pedido é improcedente”, afirma na sentença.


Após a divulgação da decisão a defesa de Wellington Luiz divulgou nota. Confira íntegra abaixo:

A defesa de Wellington Luiz diz que já entrou com recurso no TJDFT e aguarda uma decisão do tribunal, pois segundo o entendimento do STJ, é possível a usucapião contra sociedade de economia mista, pessoa jurídica de direito privado, especialmente quando a posse de Wellington Luiz é datada de 1996, que somada à posse do seu antecessor, ultrapassa 38 anos.

Ademais, entende que houve uma perseguição política, uma vez que nestes longos anos nunca foi questionada a sua posse, somente vindo a ocorrer em 2017, quando o Wellington era líder da oposição ao governo Rollemberg. Confia na decisão do TJDFT, que costuma se orientar no entendimento do Superior Tribunal de Justiça.

Resultado de imagem para casa de wellington luiz no park way da caesb

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS