Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

COLMÉIA NO POSTE: Enxame de abelhas ataca moradores e mata cães no Guará II

Três cachorros morreram no último fim de semana por causa de ataque. Pesquisadora diz que insetos atacam quando se sentem ameaçados.

Abelhas que fizeram uma colmeia em um poste no conjunto H na QE 42 do Guará II, cidade-satélite de Brasília, mataram três cachorros com picadas neste domingo (20). Os animais pertenciam ao padeiro Marcelo Robert da Silva.


“Meus cachorros morreram. E se fosse uma criança? Eu estaria chorando por causa dos meus filhos”, disse Silva. Os moradores da quadra dizem que já acionaram o Corpo de Bombeiros e a CEB diversas vezes, mas nunca há uma solução definitiva.


A CEB informou que a questão deve ser tratada pelo Corpo de Bombeiros. O Corpo de Bombeiros da QE 40 informa que o quartel atende só emergências médicas. Casos que envolvam insetos e outros animais devem ser relatados no telefone 193.


O sargento Alvacir Menezes diz que os bombeiros averiguaram o local, mas que só podem capturar as abelhas durante a noite."Quando são abelhas, nós vamos durante o dia e fazemos uma averiguação e só é feita alguma coisa à noite. À noite, elas estão reunidas na colmeia. Fica mais fácil de fazer a captura com sacos de lixo", explica.Poste no Guará, no Distrito Federal, onde abelhas fizeram colmeia (Foto: Bárbara Nascimento/G1)

 

 

Poste no Guará onde abelhas fizeram colmeia

 

 

 

 

Enquanto conversava com a reportagem, o cunhado de Silva, o porteiro Marcelo Nascimento foi picado próximo ao olho. "Faz tempo que esse tipo de coisa acontece. Minha irmã me ligou dizendo que um cachorro já estava morto e o outro estava agonizando. Aqui é cheio de criança, é muito perigoso", conta.


"A gente sempre chama eles e só o que eles fazem é passar querosene. Não adianta porque as abelhas voltam. Ainda afirmaram que o poste não pode ser trocado porque é novo, não tem nada nele", explica Nascimento.


Agressividade incomum
A pesquisadora de apicultura da Embrapa Fábia de Mello Pereira diz que esse comportamento agressivo das abelhas não é normal. "Esse comportamento é porque as abelhas devem estar se sentindo ameaçadas por barulho de criança brincando, cachorro latindo, carros passando. Porque elas são muito sensíveis ao barulho, elas estão achando que a colônia está sendo atacada", diz.


Fábia explica que a melhor maneira de afastar as abelhas é raspar a cera que fica no poste. "Elas sempre voltam, mesmo passando querosene. Com o tempo, o cheiro do querosene vai sumir, mas o cheiro da colônia continua. Outras abelhas sentem esse cheiro e voltam. Aconselhamos raspar bem, tirar o resto de cera que fica e passar querosene de tempos em tempos".

 

Fonte: *G1 - Clipping

COMENTÁRIOS