compartilhar

DOAÇÃO DE ÓRGÃOS: GDF lança campanha para incentivar doadores, mas transplantados têm dificuldades no atendimento

Executivo local suspendeu emissão de passagens aéreas para pacientes que fizeram transplantes em outros estados. GDF diz que serviço será normalizado em um mês.

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal lançou, nesta segunda-feira (9), a campanha Setembro Verde, para incentivar a doação de órgãos.

 

 Pacientes de Brasília que fizeram transplantes em outros estados, no entanto, têm encontrado dificuldades para conseguir acompanhamento médico adequado.

Desde o dia 4 de setembro, o governo local suspendeu a emissão de passagens aéreas para 425 moradores do DF que passaram por transplantes em outras unidades da federação.

O direito é garantido por portaria do Ministério da Saúde, para que os pacientes possam continuar o tratamento com a equipe responsável pela cirurgia. Sem as passagens, no entanto, transplantados temem prejuízos à terapia.

Segundo o Governo distrital, o motivo para a suspensão foi o fim do contrato com a agência que emitia as passagens. O Executivo afirma que, em um mês, o serviço estará normalizado.

 

Pacientes relatam medoEquipe de transplantes de órgão em Brasília. — Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

 

"Meu maior medo hoje é meu filho perder o rim dele, que eu doei há 10 anos", conta a dona de casa Edmeia Costa.

O filho dela, de 15 anos, fez o transplante em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Assim como os outros beneficiários do programa, a cirurgia foi realizada na cidade porque não poderia ser feita no DF.

A cada dois meses, o adolescente precisa ir à capital gaúcha para fazer acompanhamento e pegar remédios. A próxima consulta está marcada para daqui a duas semanas, mas, sem as passagens do GDF, a família não sabe o que fazer.

Por conta do mesmo problema, em 2017, a filha da artesã Vanusa Gomes perdeu o rim transplantado três anos antes.

 

"Entra ano, sai ano, e a conversa é sempre a mesma. A gente fica refém dessa situação, porque a gente não tem como bancar uma viagem aérea com os meninos a cada dois meses", conta.

Além da emissão das passagens aéreas, o GDF oferece viagens de ônibus. O serviço está em funcionamento, mas para conseguir a passagem, o paciente precisa de permissão médica para viajar por terra.

Existe ainda a opção de o transplantado comprar a passagem e ser reembolsado pelo GDF. Segundo o Executivo local, o tempo médio de reembolso é de 40 dias, mas nem sempre esse prazo é praticado.

No caso da estudante Jéssica Maneri, por exemplo, que teve de comprar uma passagem às pressas para ir a São Paulo e não perder uma consulta, a espera durou cerca de 180 dias.

 

"Eles demoraram quase seis meses para fazer o reembolso. E quando não pode fazer a compra né? Como faz? Sendo que é um direito que a gente tem", afirma.

 

 

O que diz a Secretaria de Saúde

Secretário de Saúde do GDF, Osnei Okumoto 

Secretário de Saúde do DF, Osnei Okumoto — Foto: TV Globo/Reprodução

 

Segundo a Secretaria de Saúde do GDF, "o contrato para transporte terrestre de pacientes que farão tratamento fora do Distrito Federal está vigente. Já o contrato para transporte aéreo está em fase final de contratação".

Ainda de acordo com a pasta, no caso dos pacientes referidos, ambos têm pedido para transporte aéreo, e por isso não podem receber a passagem de ônibus.

Segundo o diretor-geral do Complexo Regulador em Saúde do GDF, Petrus Sanchez, "em um mês, o contrato estará vigente novamente".

Setembro Verde

 

Lançada nesta segunda, a campanha Setembro Verde tem o objetivo de incentivar a doação de órgãos na capital do pais. Atualmente, 932 pessoas aguardam na fila por um transplante no Distrito Federal.

São 26 para coração, 39 para fígado, 556 de rim e 311 para córnea. Até o dia 5 de setembro, foram realizados no DF, 24 transplantes de coração, 62 de fígado, 41 de 270 de córnea e sete de pele.

 

"Nós temos uma grande estrutura para transplantes. Temos equipe excelente e salas preparadas, o Complexo Regulador que cuida da fila para que não haja favorecimentos e o apoio do Hemocentro. Se conseguirmos salvar uma vida, já terá valido a pena", afirma o secretário de Saúde, Osnei Okumoto.

 

Durante a campanha, que vai até 27 de setembro, serão realizadas atividades como palestras, mostra fotográfica, talk show e apresentação musical. Confira a programação abaixo:

Palestras

 

  • Local: hospitais públicos e privados, operadoras de planos de saúde e instituições de ensino superior
  • Data: De 10 a 27 de setembro
  • Objetivo: estabelecer contato com o ambiente acadêmico multiprofissional para despertar nos alunos o interesse em se especializarem na área de captação e transplante de órgãos e tecidos

 

Mostra fotográfica

 

  • Local: galeria de arte do Pátio Brasil Shopping
  • Data: 23 a 27 de setembro
  • Objetivo: retratar momentos da vida de pacientes transplantados com imagens de antes e depois do transplante, mostrando o resgate da qualidade de vida

 

Talk show com jornalista Vinicius Sassine

 

  • Local: Praça Central do Pátio Brasil Shopping
  • Data: 27 de setembro
  • Horário: 18h

 

Show de Encerramento com Davi Ramiro

 

  • Local: Praça Central do Pátio Brasil Shopping
  • Data: 27 de setembro
  • Horário: 19h30

 

 

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS