compartilhar

"MOEDA" VIRTUAL KRIPTACOIN: Justiça distrital aumenta pena de reclusão de condenados

Réus criaram uma pirâmide financeira que movimentou R$ 250 milhões no Distrito Federal por meio da moeda virtual Kriptacoin

Presos na Operação Patrick, investigação sobre uma pirâmide financeira que movimentou R$ 250 milhões no Distrito Federal por meio da moeda virtual Kriptacoin, tiveram aumento na pena de reclusão.

 

O recurso do Ministério Público do Distrito Federal (MP-DF) foi acolhido pela 2ª Turma Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJ-DF).

Entre os condenados, estão Weverton e Welbert Richard; Fernando Ewerton; Urandy João; Hildegarde Nascimento; e Paulo Henrique Alves Rodrigues.

 

A Turma absolveu Thaynara Cristina, condenada na 1ª instância. A alegação dos magistrados foi a insuficiência de provas com relação à prática do crime de organização criminosa.

Além disso, a Justiça deu parcial provimento ao recurso do MP-DF para condenar o réu Marcos Kazu a 10 anos, quatro meses e 24 dias de reclusão, pelos crimes de lavagem de capital federal e organização criminosa, em regime inicial fechado.

Ele havia sido absolvido na 1ª instância, também por falta de provas.


O colegiado acatou parcialmente os recursos de Weverton, Welbert Richard, Fernando Ewerton, Urandy João, Hildegarde Nascimento, Alessandro Ricardo, Sérgio Vieira, Franklin Delano, Uélio Alves, Wendel Alvese Wellington Junior com relação à redução da pena pecuniária e ao regime de cumprimento e à substituição da pena.

Por fim, em razão de a condenação gerar inelegibilidade, o TJ-DF determinou que os dados dos réus fossem incluídos no Cadastro Nacional de Condenados por Ato de Improbidade Administrativa e por Ato que Implique Inelegibilidade (CNCIAI), do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Confira como ficou a pena de cada acusado:

Avião e helicóptero

Em primeira instância, a Justiça condenou 13 acusados de aplicar o golpe usando a moeda virtual. Segundo as investigações, os lucros da organização eram exorbitantes.

 

Seus integrantes chegaram a comprar um avião, avaliado em R$ 3,6 milhões, e um helicóptero, que está com restrição judicial.

Para mostrar o alto poder aquisitivo, os estelionatários chegaram a pousar com a aeronave em uma área comercial de Vicente Pires, em frente à sede da empresa Kriptacoin, a Wall Street Corporate.

 

Fonte: *Via Metropole/Clipping

COMENTÁRIOS