Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

"NÃOOO VAI TER GOLPEEE": Movimentos sociais protestam em Brasília contra impeachment de Dilma

Ato ocorre no mesmo dia em que defesa da presidente fala na Câmara. Movimentos sociais contrataram ônibus; concentração foi no estádio.

Integrantes de movimentos sociais marcharam do estádio Mané Garrincha até o Congresso Nacional na tarde desta quinta-feira (31) em protesto contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Eles ocuparam as faixas do Eixo Monumental – que já tinha o trânsito bloqueado desde as 16h – com gritos de "o povo unido jamais será vencido" e "não vai ter golpe, vai ter luta".

Manifestantes que apoiam a presidente Dilma Rousseff iniciam marcha em Brasília entre o Estádio Mané Garrincha e o Congresso Nacional (Foto: Alexandre Bastos/G1)

 

 

Manifes-tantes que apoiam a presidente Dilma Rousseff iniciam marcha em Brasília entre o Estádio Mané Garrincha e o Congresso Nacional 

 

Outros grupos de manifes-tantes já estavam no gramado do Congresso e em frente ao Ministério das Cidades quando a passeata teve início. Às 16h, a Polícia Militar estimava a presença de 10 mil pessoas nos atos. Os movimentos sociais que comandam o protesto disseram, por volta de 16h50, calcular a adesão de 50 mil pessoas.

Manifestantes hasteiam símbolo da FNL na Alameda das Bandeiras (Foto: Mateus Rodrigues/G1)Manifes-tantes hasteiam símbolo da FNL na Alameda das Bandeiras 

Por volta das 15h, integrantes da manifestação removeram a bandeira do estado do Ceará na Alameda das Bandeiras e hastearam a da Frente Nacional de Luta (FNL). Eles também aproveitaram para conhecer a Catedral Metropolitana de Brasília.

Crianças tomam banho no espelho do Congresso Nacional antes de início de ato contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff (Foto: Fernando Caixeta/G1)Crianças tomam banho no espelho do Congresso Nacional antes de início de ato contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff 

A concentração começou por volta de 6h no Estádio Mané Garrincha, que fica a cerca de cinco quilômetros do Congresso Nacional. Ônibus contratados pelos movimentos sociais levaram os manifestantes e ficaram estacionados no local. Ambulantes aproveitaram a ocasião para comercializar lanches e artigos temáticos do Partido dos Trabalhadores.

Baloes da CTB e da CUT (ao fundo) em frente ao Mané Garrincha, em Brasília (Foto: Mateus Rodrigues/G1)Baloes da CTB e da CUT (ao fundo) em frente ao Mané Garrincha, em Brasília

Quem não vestia as cores do movimento ganhou coletes e bonés vermelhos da CUT. Os militantes estenderam faixas no estacionamento do estádio. Entre as mensagens estavam “em defesa da democracia: golpe nunca mais”, “somos todas Margaridas” e “o alvo do impeachment é a classe trabalhadora”. Também havia críticas a políticos do PSDB e aliados.

Fila para distribuição de marmitas, no protesto da FNL (Foto: Mateus Rodrigues/G1)Fila para distribuição de marmitas, no protesto da FNL

O ato reúne membros de diferentes movimentos sociais de cidades mineiras, baianas, paraibanas e pernam-bucanas. Há bandeiras da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Frente Nacional de Luta (FNL), Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais (Contag), União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), União da Juventude Socialista (UJS), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e sindicatos estaduais de metalúrgicos e trabalhadores rurais.

Manifestantes vendem camisa com dizeres defendendo Luca a R$ 20  (Foto: Mateus Rodrigues/G1)Manifes-tantes vendem camisa com dizeres defendendo Lula a R$ 20

 

 

 

Indígenas da etnia xakriabá, do norte de Minas Gerais, também participaram do ato. Por causa da manifes-tação, todos os retornos da Esplanada dos Ministérios – à exceção da passagem da Alameda dos Estados – foram bloqueados desde o início da manhã. A opção para motoristas é trafegar pelo Buraco do Tatu ou pela plataforma superior da Rodoviária do Plano Piloto.

Indígenas pintam rosto durante ato contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff (Foto: Alexandre Bastos/G1)Indígenas pintam rosto durante ato contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff 

De acordo com o Detran, por volta de 16h, a interdição na via N1 vai se estendeu para o trecho entre a W3 Norte e o Palácio do Buriti. Já na via S1, o bloqueio ocorreu entre o Tribunal de Justiça e a Esplanada dos Ministérios.

Congestionamento na área central de Brasília após bloqueio do Detran (Foto: Fabiano Bomfim/TV Globo)Conges-tionamento na área central de Brasília após bloqueio do Detran 

 

Pela manhã, um grupo usou faixas com mensagens contrárias ao impeachment para formar "Dilma fica" em frente ao Palácio do Planalto, enquanto outro grupo se deslocou ainda pela manhã para a frente do Banco Central, onde pediu o não pagamento da dívida pública – no valor de R$ 2,79 bilhões, segundo dados do Tesouro Nacional – e cobrou a realização da reforma agrária.

Manifestantes usam cartazes com mensagens contra impeachment para escrever nome da presidente Dilma Rousseff em Brasília (Foto: Mateus Rodrigues/G1)Manifes-tantes usam cartazes com mensagens contra impeachment para escrever nome da presidente Dilma Rousseff em Brasília 

Antes do almoço, os cerca de 300 manifes-tantes que ainda estavam no local desceram para o gramado do Congresso Nacional. Eles fecharam duas faixas do Eixo Monumental no trajeto. Ao chegar no local, os militantes estenderam faixas vermelhas, cor símbolo do PT, e se sentaram para almoçar. A temperatura era de 27 °C, e eles aproveitaram a sombra feita por placas e por um trio elétrico para tentar amenizar o calor.

Manifestantes a favor do governo Dilma Rousseff chegam ao Congresso Nacional (Foto: Fernando Caixeta/G1)Manifes-tantes a favor do governo Dilma Rousseff chegam ao Congresso Nacional

A Secretaria de Segurança Pública informou que 1,2 mil policiais militares, 150 bombeiros e 80 agentes do Detran foram mobilizados para atuar na manifestação. Representantes de movimentos a favor do impeachment foram orientados pela pasta a não comparecerem ao local, já que a marcha a favor de Dilma estava marcada com antecedência.


Cerimônia de apoio
Uma cerimônia organizada no Palácio do Planalto reuniu artistas e intelectuais contrários ao processo de impeachment.

 

Entre as celebridades que participaram do ato político na sede do Executivo federal estão a cantora Beth Carvalho, os atores Letícia Sabatella, Osmar Prado e Sérgio Mamberti, o escritor Fernando Morais e a cineasta Anna Muylaert, diretora do filme "Que horas ela volta?".

 

Convidada a discursar no evento, Letícia Sabatella disse fazer oposição ao governo petista, mas afirmou fazer questão por achar que há em curso um "plano maquiavélico de tomada de poder na marra" por parte de partidos oposicionistas. "Eu sou oposição ao seu governo, presidenta Dilma. Mas eu tenho um contentamento em poder dizer isso na sua frente porque vivo num estado que se pretende utopicamente, em exercício neste momento, ser um estado democrático. Ou seja, preservando a liberdade", declarou.


Na sequência, o cerimonial exibiu em telão um vídeo gravado pelo ator norte-americano Danny Glover, famoso por atuar na franquia "Máquina Mortífera. Ele disse que Dilma não está sozinha na "luta" contra o impeachment, que é uma luta pela "democracia, pela paz e pela justiça". "Estamos com você e estamos declarando: Não vai ter golpe", destacou o ator norte-americano no encerramento do vídeo, falando em português.


O diretor teatral Aderbal Freire Filho criticou o que ele classificou de "farsa" usada na política e, sem citar nomes, disse que há personagens "ridículos, fanfarrões e emperrados até o pescoço em corrupção" que estão capitaneando o processo de impeachment da presidente.


"Quando a imprensa usa esses personagens, há a farsa do impeachment. Esta é a farsa. E há outros gêneros teatrais neste momento político. Estamos assistindo a uma comédia, que podia se chamar 'Os virtuosos ridículos'", ironizou Freire Filho, sob aplausos da plateia.


A manifestação de apoio de parte da classe artística ocorre na semana em que a petista viu seu principal aliado, o PMDB – legenda do vice-presidente, Michel Temer –, deixar oficialmente a base aliada e exigir que seus filiados se desliguem de seus cargos no governo federal. Desde então, Dilma passou a intensificar as conversas com outros partidos aliados para tentar evitar uma debandada da base governista.


Na semana passada, Dilma reuniu no Planalto juristas, advogados, defensores públicos e promotores contrários ao impeachment. No ato, ela recebeu cerca de 30 manifestos de apoio ao governo, e juristas também classificaram de “golpe” o processo de impeachment em tramitação no Congresso Nacional.


Processo e pesquisa


Chamado a falar em defesa da presidente Dilma Rousseff na comissão do impeachment, o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, afirmou nesta quinta-feira (31) que o governo fez o “maior corte da história” em 2015 e não pode ser acusado de cometer crime de responsabilidade nem “irresponsabilidade fiscal”. O colegiado dará parecer pela instauração ou não do processo de afastamento.“


No ano passado, o governo fez o maior contingenciamento da história. Não há que se falar de flexibilidade fiscal, de irregularidade fiscal ou de crime de responsabilidade fiscal no momento em que o governo fez o maior contingenciamento da história”, disse.

Sigla da Frente Nacional de Lutas escrita com bandeiras no gramado lateral do Congresso Nacional em ato contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff (Foto: Fernando Caixeta/G1)Sigla da Frente Nacional de Lutas escrita com bandeiras no gramado lateral do Congresso Nacional em ato contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff 

Ele afirmou ainda que a comissão do impeachment deve se ater a denúncias relacionadas ao atual mandato da presidente Dilma Rousseff. O pedido de abertura de impeachment leva em conta atos cometidos em 2014, último ano do primeiro mandato, e 2015, primeiro ano do segundo mandato.


A instalação da comissão especial que analisa o impeachment aconteceu em 17 de março. O colegiado terá cinco sessões depois da defesa para votar parecer pela continuidade ou não do processo.

Manifestantes aproveitam para conhecer pontos turísticos de Brasília, como a catedral (Foto: Gabriel Luiz/G1)Manifes-tantes aproveitam para conhecer pontos turísticos de Brasília, como a catedral

Após ser votado na comissão, o parecer sobre o pedido de impeachment segue para o plenário da Câmara, que decide se instaura ou não o processo. Para a instauração é preciso o voto de 342 deputados.


O Senado pode invalidar essa decisão da Câmara. Se avalizar, a presidente da República é afastada por 180 dias, enquanto durar a análise do mérito das acusações contidas no pedido de impeachment.

Câmeras mostram concentração de manifestantes pró-Dilma em frente ao Estádio Nacional de Brasília (Foto: Samu/Divulgação)Câmeras mostram concentração de manifes
tantes pró-Dilma em frente ao Estádio Nacional de Brasília 

Pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira (30) mostra que 69% dos entrevistados desaprovam o governo Dilma. No dia anterior, o PMDB oficializou o rompimento com a gestão. A orientação é de que os seis ministros da legenda deixem o cargo.

 

Presidente do partido e vice-presidente da República, Michel Temer permanece na função sob a alegação de que foi eleito.


O Planalto tenta montar uma estratégia a fim de fazer com que, diante do rompimento do PMDB com o governo, a presidente Dilma passe a contar com o apoio de outros partidos e parlamentares no Congresso Nacional.

Membros da Frente Nacional de Luta, Campo e Cidade protestam em frente ao Banco Central do Brasil, em Brasília, contra o pagamento da dívida pública pelo governo (Foto: Evaristo Sa/AFP)

 Na prática, o Executivo está disposto a negociar cargos que serão deixados por integrantes do partido para garantir o apoio necessário para barrar o processo de impea-chment.


Membros da Frente Nacional de Luta, Campo e Cidade protestam em frente ao Banco Central do Brasil, em Brasília, contra o pagamento da dívida pública pelo governo.

(Com informações: G1 / Fotos: Alexandre Bastos, Fernando Caixeta, Mateus Rodrigues, Fabiano Bomfim, Gabriel Luiz,Evaristo Sa)

 

Fonte: *G1 - Clipping

COMENTÁRIOS