compartilhar

RODRIGO ROLLEMBERG: A chantagem do impeachment. E a chantagem das CPIs

DE ONDE VEM O PERIGO. Intermediação perigosa

*Por: Hélio Doyle

 

O governador Rodrigo Rollemberg (foto) está entrando em uma armadilha montada por deputados distritais, tendo à frente a presidente Celina Leão.

 

O processo de impeachment contra a presidente da República é a inspiração desses distritais. Não necessariamente para abrir um processo contra o governador, mas para mantê-lo como refém, sob a ameaça de ser afastado.

 

Não será novidade aqui e certamente a mesma coisa acontecerá em vários estados. O medo de sofrer um impeachment e o temor de CPIs levaram o então governador Agnelo Queiroz a tudo fazer para manter uma confortável maioria de dois terços na Câmara.

 

Agnelo cedeu em quase tudo aos distritais: segurou-se no governo, mas sequer passou ao segundo turno nas eleições.

 

O que alguns distritais querem de Rollemberg é que sua maior preocupação agora seja a de ter o apoio fechado de pelo menos 16 deputados. Para isso, terá de dar a eles muito mais do que tem dado até agora.

 

E a chantagem das CPIs

 

Constituir comissões parlamentares de inquérito é a outra arma de chantagem dos distritais. Não é de hoje nem local, é histórica e nacional. As revelações sobre o que ocorreu na CPI da Petrobrás, no Congresso Nacional, ajudam a entender o mecanismo. Parlamentares usam o poder das CPIs não para investigar, mas para obter vantagens ilegítimas.

 

Com uma CPI, é possível receber benefícios de acusadores e de acusados, optando-se geralmente por quem dá mais. Convoca-se e se desconvoca. Documentos são revelados ou escondidos. O relatório final pode dar em tudo ou em nada. Depende do cliente.

 

CPIs que possam envolver o governo de Rollemberg, como a da saúde, são instrumentos de pressão contra o governo, para que ceda às suas demandas. 

 

Além do que CPIs podem ser uma boa antessala para ameaçar com impeachment. 

 

Olho grande nos cargos e verbas

 

Com ameaças de impeachment e de CPIs, a pressão contra o governo aumenta. Os interesses de distritais no governo não se limitam a cargos e emendas. Cargos são importantes para empregar afilhados políticos e cabos eleitorais, mas o objetivo principal é dominar áreas do governo que contam com verbas polpudas, e que permitam aos distritais ter participação indevida nos contratos desses órgãos.

 

Não é à toa, por exemplo, que é grande a briga pelo controle do Detran, objeto da ambição de alguns distritais. Ali, como se sabe, rola muito dinheiro: multas, gravames, pardais, publicidade.

 

E há muitos outros lugares interessantes no governo, sob esse ponto de vista.

 

Agradecimentos efusivos

 

As emendas também ajudam os distritais em dois aspectos: permitem o atendimento a reivindicações de suas bases e, com enorme frequência, dão “retorno”. Quem recebe o dinheiro oriundo das emendas costuma agradecer ao parlamentar com mais do que palavras generosas ou votos nas eleições.

 

Por isso emendas para realizar eventos e shows são tão populares entre os distritais. Não há licitação, os valores são subjetivos, o retorno é garantido.

 

Intermediação perigosa

 

Distritais querem também que o governo atenda a interesses de empresas das quais são sócios abertos ou ocultos, ou das quais recebem por “serviços prestados”.

 

Perguntem ao governador, a secretários e presidentes de empresas quantos empresários são levados a eles por distritais que servem como intermediários. Isso é normal, dirão os distritais e até algumas autoridades do governo que gostam de agradá-los.

 

Não, não é normal. Pode ser usual. Empresários têm acesso ao governo sem a intermediação de agentes públicos que, ilegalmente, estão é fazendo advocacia administrativa. E distritais que são donos de empresas deveriam se sentir constrangidos ao confundir o mandato com sua atividade empresarial. 

 

Boca torta pelo cachimbo

 

Os distritais não se limitam a interceder, perante o governo, para que empresários sejam recebidos. Fazem questão de acompanhá-los nas audiências e exercem pressão direta sobre o Executivo para que seus pleitos sejam atendidos. O pior é que até conselheiros do Tribunal de Contas, ex-deputados, mantêm essa prática de defender interesses de empresas perante o governo. 

 

De onde vem o perigo

 

Nas conversas reservadas para aumentar a pressão sobre o governo, alguns distritais falam no que consideram dois pontos fracos que poderão ser por eles explorados -- além da confusa gestão da área de saúde. Estão de olho no Iprev, o instituto de previdência dos servidores, e no BRB. 

 

COMENTÁRIOS