Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

GRIPE FATAL: Já são 9 os brasilienses que morreram vítimas da H1N1 este ano

Casos confirmados da doença chegaram a 117 de 1º de janeiro a 7 de maio. Vacinação contra a gripe já atingiu 86% do público-alvo, diz secretaria.

Subiu para nove o número de mortos no Distrito Federal em decorrência do H1N1 desde o início do ano até o último dia 7, anunciou nesta sexta-feira (13) a Secretaria de Saúde.

 

No mesmo período, foram registrados 117 casos da doença na capital federal – 15 deles em gestantes. No ano passado, não houve mortes por H1N1 na Grande Brasília.


De acordo com a secretaria, dos casos confirmados da doença, 80 foram considerados graves e necessitaram de internação dos pacientes.

As regiões com maior incidência da doença foram Santa Maria (19), Asa Norte e Ceilândia (15 cada) e Riacho Fundo (7).


Desde o início da vacinação contra gripe, no dia 30 de abril, 526 mil pessoas foram imunizadas no Plano Piloto e cidades-satélites. O número corresponde a 86% do público-alvo da campanha.

gerente de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde, Cristina Segatto, em entrevista coletiva sobre H1N1 (Foto: Secretaria de Saúde/Divulgação)A gerente de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde, Cristina Segatto, em entrevista coletiva sobre H1N1


A gerente de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde, Cristina Segatto, afirma que a  imunização vai ser reforçada nesta segunda-feira (16) para alguns grupos que ainda não atingiram a meta de imunização.


"Nós vamos continuar a vacinação de gestantes, idosos e crianças de seis meses a menores de cinco anos  porque esses grupos ainda não atingiram 80% de imunização. O nosso estoque deve terminar agora porque não recebemos um estoque finito de vacinas. Nós estamos focando nos grupos que faltam para fazer uma proteção efetiva", disse.


Os profissionaisde saúde  (119%) e os pacientes com duas doenças crônicas ao mesmo tempo (100%) e mulheres que tiveram filhos há 45 dias (94,8%) não serão mais vacinados na rede pública de saúde por já terem atingido a meta de imunização para esses grupos.

 

Fonte: *G1 - Clipping

COMENTÁRIOS