Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

FIBROSE CÍSTICA: GDF não tem remédio e fármácias da rede pública sem previsão

Pacientes do Distrito Federal que dependem de remédios fornecidos de graça estão enfrentando sufoco há mais de seis meses.

 

Para alguns medicamentos, as farmácias da rede pública não têm previsão na entrega. Este é o caso para brasilienses que precisam tratar a fibrose cística.


A fibrose cística é uma doença genética em que as glândulas que revestem várias partes do corpo funcionam de forma errada. Elas produzem uma grande quantidade de muco, espesso.

Isso pode entupir os pulmões e impedir a produção de enzimas que fazem a digestão.


Segundo o pediatra Fernando Ribeiro, o que está ‘em jogo’ é a vida do paciente, pois poucos dias sem os medicamentos pode trazer consequências graves.

 

“Se ficar um mês sem reposição de enzima, ou um mês sem tratamento antibiótico terápico ou sem medicação que fluidifica as secreções, esses pacientes vão ter sequelas que podem ser reversíveis ou não, então eu posso ter danos irreversíveis para esses pacientes se eles não tiverem um acesso contínuo e adequado”, explica Ribeiro.


De acordo com a Abrafc (Associação Brasiliense de Amparo ao Fibrocístico), uma ampola do medicamento Colomycin custa R$ 90, o que se torna caro para quem depende da medicação no dia a dia. Com a falta na Farmácia de Alto Custo, 106 pacientes estão dependendo de doações. 

Do total de 106 paciente atendidos, 77 são crianças tratadas no Hospital da Criança de Brasília José Alencar (HCB). Os 29 pacientes adultos estão sob os cuidados do Hospital de Base (HBDF). 


No Brasil, apenas em 2015, a Defensoria Pública realizou mais de 590 mil atendimentos na área da saúde. Entre as principais demandas está a falta de medicamentos. No Distrito Federal, os atendimentos no ano passado somam 19 mil. Só neste ano, já foram realizados quase dois mil atendimentos, uma média de 70 por dia. O presidente da Associação Nacional dos Defensores Públicos (ANADEP), Joaquim Neto, afirma que em casos de negativa de medicamentos, a Defensoria Pública pode atuar.

 

“ A pessoa que precisar de algum medicamento e não tiver condições de comprar ou se este for fornecido pelo governo e estiver em falta no estoque, deve procurar a Defensoria e levar os documentos necessários para que então possamos agir, por meio de conciliação ou judicialmente, para o fornecimento do remédio”, declarou. A Defensoria Pública atende gratuitamente.


Transplante

Outro tratamento que evoluiu muito ao longo dos anos, principalmente aqui no Brasil, é o transplante pulmonar. A cirurgia é feita em São Paulo, no Rio Grande do Sul e mais recentemente no Ceará. A indicação para o transplante é feita pelo médico que cuida do paciente com fibrose cística, depois da realização de vários exames e de uma avaliação minuciosa do seu quadro de saúde. A progressão da doença é que vai determinar ou não a indicação para o transplante.

 

O transplante só é indicado para pacientes com a condição de saúde mais debilitada e que já não respondem tão bem aos outros tratamentos medicamentosos. Quando o paciente é encaminhado para uma central de transplantes, ele deverá fazer vários exames para entrar na lista de espera. 

 

Fonte: *Alô - Clipping

COMENTÁRIOS