Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

FARRA DA CULTURA: MP cobra R$ 813 mil devido a superfaturamento do Carnaval de 2009

CACHÊ DE ARTISTAS CONTRATADOS SEM LICITAÇÃO CHEGOU AO TRIPLO DO VALOR NORMAL

O Ministério Público de Contas do Distrito Federal (MPC/DF), em parecer expedido nesta terça-feira (7), pede o ressarcimento de R$ 813 mil referentes a contratações de oito artistas e bandas que se apresentaram no Recanto das Emas durante a programação do carnaval de 2009.

 

As contratações foram feitas pela Secretária de Cultura. De acordo com a Tomada de Contas Especial, os valores praticados foram muito acima dos de mercado e causaram prejuízo aos cofres públicos.

 

Além disso, a inspeção apontou falta de planejamento, de pesquisa de preços e de justificativas para os valores pagos como cachês. O parecer, na íntegra, foi anexado.


 

No parecer do Procurador Marcos Felipe Pinheiro Lima, foram identificados superfaturamentos em contratos firmados com pelo menos oito artistas e bandas: Harmonia do Samba, Cheio de Amor, Moraes Moreia, É o Tchan, Tatau, Luiz Caldas, Lordão e Olodum.

 

Outro fato que chamou a atenção do MPC foi que apenas uma empresa representava a todos os artistas contratados – a Shirley da Hora Figueiredo – NS Eventos e Participações.

 

À época, o responsável pela assinatura dos contratos por parte do GDF foi o então subsecretário de Mobilização e Eventos das Secretaria de Cultura, Gerson Dias de Lima. Tanto a empresa quanto o gestor são apontados no parecer como responsáveis pelo dano.


COMPARAÇÃO DE CACHÊS – O superfaturamento apontado pelo MPC fica evidente quando feita a comparação de valores dos cachês pagos pelo GDF no carnaval de 2009 com os preços cobrados pelos artistas na mesma época em eventos de mesmo porte. Em alguns casos, a diferença ultrapassa os 200%.

 

Artista/Banda

Maior cachê pago por apresentação (em R$)

Cachê pago pelo GDF (em R$)

 

Diferença

É o Tchan

75.000,00

92.000,00

17.000,00 (22,67%)

Luiz Caldas

40.000,00

120.500,00

80.500,00 (201,25%)

Moraes Moreira

35.000,00

50.000,00

15.000,00 (42,86%)

Harmonia do Samba

115.000,00

192.000,00

77.000,00 (66,96%)

Cheiro de Amor

100.000,00

135.000,00

35.000,00 (35%)

Lordão

35.000,00

52.500,00

17.500,00 (50%)

Olodum

150.000,00

196.500,00

46.500,00 (31%)

Tatau

75.000,00

135.000,00

60.000,00 (80%)

TOTAL

625.000,00

973.500,00

348.500,00

Naquela ocasião, o GDF desembolsou R$ 348.500,00 a mais que os valores de mercado. O valor do prejuízo contempla a correção monetária desde o evento danoso e os juros de mora chegando, então, a R$ 813.059,46.


Com base nas informações apresentadas pelo corpo técnico, o Procurador Marcos Felipe Pinheiro Lima entendeu que os documentos para fundamentar as contratações não foram suficientes para justificar a inexigibilidade de licitação ou mesmo a diferença nos preços dos cachês.

 

Agora, a manifestação dos auditores do Tribunal e o parecer da Quarta Procuradoria serão encaminhados a um Conselheiro – escolhido por sorteio. Por enquanto, não há previsão de a matéria ser votada no plenário do Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF).

 

Fonte: *Diário do Poder - Clipping

COMENTÁRIOS