Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

DENTRO DO AVIÃO: Suspeitos de roubar caixas eletrônicos viajam ao lado de delegada e são detidos

Policial especializada em repressão a roubo voltava ao RN após palestra em Brasília. Suspeito via fotos de armas no celular; bagagem tinha maçaricos e furadeira.

"Foi muita coincidência. Se eu conto ninguém acredita. Parecia cena de filme" - Danielle Filgueira Soares Lima, titular da 11ª Delegacia de Polícia de Natal


O olhar atento de uma delegada especializada em investigar roubos a bancos resultou na detenção de dois suspeitos de arrombar caixas eletrônicos pelo país.

 

Eles embarcaram no Aeroporto Juscelino Kubitschek, em Brasília, por volta das 20h desta quinta-feira (9) e foram presos pela Polícia Federal no desembarque em Natal depois que a delegada avisou a tripulação do avião sobre a possibilidade de os dois homens serem criminosos.


A delegada Danielle Filgueira Soares Lima, titular da 11ª Delegacia de Polícia de Natal, disse que os dois homens sentaram ao lado dela no avião. Ela viu um deles olhando fotos de armas e dinheiro no celular. O outro tinha marca de queimadura na mão semelhante às que assaltantes que usam maçaricos para arrombar caixas eletrônicos costumam ter.


Ela avisou então a comissária de bordo sobre os suspeitos, que relatou o caso ao piloto. Antes da decolagem, porém, ela enviou mensagem para um grupo de WhatsApp integrado por policiais civis e federais. Quando o avião pousou em Natal, os agentes da PF já aguardavam para fazer a abordagem.

Equipamentos usados em arrombamento de caixas eletrônicos encontrado na bagagem de um dos suspeitos presos em Natal pela Polícia Federal nesta quinta-feira (9) (Foto: Danielle Lima/Arquivo Pessoal)

Em vez de roupas, a bagagem dos homens tinha maçaricos, espátulas, chaves de fenda e uma furadeira industrial conhecida como "serra-copo", equipamentos utilizados em arrombamentos de caixas eletrônicos. Danielle disse que desconfiou da dupla quando ainda quando aguardava o embarque em Brasília.


A delegada trabalhou quatro anos investigando quadrilhas especializadas em roubo a bancos e foi a Brasília para dar uma palestra sobre os constantes ataques a caixas eletrônicos pelo Brasil, no IV Fórum de Enfrentamento a Roubo a Banco, promovido pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), do Ministério da Justiça, e Federação Brasileira de Bancos (Febraban).


"Foi muita coincidência. Se eu conto ninguém acredita. Parecia cena de filme", disse. Ela afirmou que já havia desconfiado deles quando ainda aguardava o embarque em Brasília. Ela afirmou que os homens estavam bem vestidos, com roupas caras – um  deles usava um relógio de ouro – e aparentavam nervosismo.


Suspeitos de arrombamento de caixas eletrônicos antes de decolagem de Brasília para Natal nesta quinta (9) (Foto: Danielle Lima/Arquivo Pessoal)Suspeitos de arrombamento de caixas eletrônicos antes de decolagem de Brasília para Natal nesta quinta (9)

Os equipamentos utilizados em arrombamentos estavam em uma das malas despachadas pela dupla.

 

Os suspeitos foram levados para a Divisão de Combate ao Crime Organizado (Deicor) de Natal, onde prestaram depoimento e foram liberados em seguida. Um terceiro homem que também estava no aeroporto, supostamente esperando a dupla, está sendo investigado.

"Eles passariam como pessoas comuns tranquilamente. Estavam muito bem vestidos e somente um olhar clínico, de quem já trabalha com isso, conseguiria identificar que se tratavam de bandidos", disse ao G1.


Segundo o delegado Emerson Valente, da Delegacia Especializada e Investigação e Combate ao Crime Organizado (Deicor), em Natal, os dois homens já tinham sido presos antes. "Eles têm passagens por furto e roubo e serão investigados por furtos a caixas eletrônicos em Natal, mas acredito que possam ter agido em outros estados".



De acordo com o delegado da Divisão Especializada em Investigação de Combate ao Crime Organizado (Deicor), Emerson Valente, foi descartada a participação de um dos três homens detidos. "Os dois suspeitos, inclusive, disseram que não conheciam o terceiro suspeito", disse.


Os homens foram liberados, segundo o delegado, porque não havia crime comprovado contra eles. "Em depoimento eles não admitiram nenhum crime e não há prova de nenhum crime que eles tenham cometido", explicou. Ainda de acordo com Valente, as investigações sobre o caso continuam.



Os nomes dos suspeitos, assim como detalhes do caso não foram divulgados para não atrapalhar as investigações. Uma possível ligação entre os dois presos com quadrilhas de Brasília será investigada pela Delegacia de Repressão a Roubos e Furtos (DRF), da Polícia Civil do DF. Só no DF este ano, foram duas explosões a caixas eletrônicos e nenhum arrombamento.


"No ano passado tivemos apenas um arrombamento com uso de serra copo onde não foi identificada autoria e por isso vamos investigar a participação desses indivíduos", explicou o delegado-chefe da DRF, Fernando César Costa.


O combate a esse tipo de crime no Distrito Federal tem sido feito em parceria com outros estados e com operações para a identificação das quadrilhas. No ano passado, cinco pessoas suspeitas de ligação com roubos a caixas eletrônicos foram detidas quando vinham em um voo de Joinville (SC) para Brasília.

A operação Torcia (Tocha, em italiano) foi deflagrada após a identificação da organização criminosa, que atuava no DF, Ceará e em Santa Catarina.

 

Fonte: *G1 - Clipping

COMENTÁRIOS