compartilhar

POUPANDO MANANCIAL: Agricultores traçam estratégia para amenizar os efeitos da seca na produção

Produtores diminuíram a área cultivada e reduziram o consumo de água para que o recurso não falte para ninguém

Vinte produtores agrícolas nas zonas rurais de Planaltina e do Paranoá reduziram de 30% a 40% a área plantada e passaram a dividir proporcionalmente as águas provenientes dos mananciais dessas cidades-satélites.

 

A intenção é assegurar a distribuição hídrica para as propriedades afetadas pela escassez de chuva.

 

A iniciativa foi proposta pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater) para minimizar o problema e garantir que a produção não seja perdida.

Produtores diminuíram a área cultivada e reduziram o consumo de água.

Produtores diminuíram a área cultivada e reduziram o consumo de água.


Iniciado em maio e com previsão para seguir até o fim de agosto, o trabalho dos técnicos da empresa é sensibilizar os produtores rurais sobre o uso consciente e planejado dos recursos hídricos, principalmente em áreas de grandes culturas, como grãos, cujo cultivo demanda uma quantidade significativa de água.


Segundo o gerente do escritório da Emater no núcleo rural Programa de Assentamento Dirigido (PAD-DF), Marconi Borges, a ideia é que os agricultores usem equipamentos de irrigação durante menos tempo.

“De acordo com a lei, o produtor pode usar até 70% da vazão de córregos, ribeirões e rios”, explica. “Como a água disponível está em menor quantidade, acreditamos que o planejamento coletivo dos produtores pode resultar em um aproveitamento mais racional dos recursos”, pondera.


Essas propriedades são banhadas pelos córregos Jardim, Lamarão, São Gonçalo e Extrema, entre outros, todos na área leste do Distrito Federal, onde estão as principais comunidades produtoras de alimentos da capital.


Para auxiliar no serviço, a Emater conta com o apoio da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento (Adasa) e da Secretaria da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural. Esses órgãos desenvolvem pesquisa de monitoramento para equacionar o problema das chuvas e da vazão dos rios.


Colheita menor que a média

Um dos que aderiu à estratégia proposta é o agricultor Rodrigo Werlang, de 37 anos. Ele reduziu a produção em 40% nos seus 690 hectares abastecidos pelo córrego Lamarão. “Não tem outra saída se não chover: é economizar e contar com o bom senso dos demais para que tomem a mesma atitude”, enfatiza.

De acordo com Werlang, ele colheu somente 30 sacas de milho por hectare na segunda safra do ano, conhecida como safrinha, com plantio no fim de janeiro e início de fevereiro e colheita em abril e maio.

De acordo com Werlang, ele colheu somente 30 sacas de milho por hectare na segunda safra do ano, conhecida como safrinha, com plantio no fim de janeiro e início de fevereiro e colheita em abril e maio.


De acordo com Werlang, ele colheu somente 30 sacas de milho por hectare na segunda safra do ano, conhecida como safrinha, com plantio no fim de janeiro e início de fevereiro e colheita em abril e maio. Geralmente, nesse período, são retiradas 110 sacas por hectare. A próxima colheita será em aproximadamente 40 dias.


O agricultor do Paranoá ressalta que a falta de chuva prejudica a produção desde o último trimestre do ano passado. “Nossa torcida é para chover bem no fim deste ano, mas não adianta cair tudo de uma vez. Devem ser chuvas espaçadas”, afirma.


O gerente do escritório da Emater Marconi Borges lembra que a média de chuva para a época (de outubro a abril) nessa região é de 1,3 mil milímetros. Entretanto, neste ano não chegou a 900 milímetros e, em algumas áreas, foi pouco mais de 600 milímetros.


Produtores poderão renegociar as dívidas

Em 7 de junho, por meio do Decreto nº 37.386, o governo de Brasília decretou situação de emergência nas áreas agrícolas do DF em virtude do reduzido volume de chuvas em fevereiro, março e abril deste ano.

 

Com o decreto publicado noDiário Oficial do Distrito Federal, o Executivo reconheceu oficialmente o momento atípico pelo qual passa a agropecuária local e, assim, facilitou a renegociação de dívidas dos produtores. O recurso vale por 180 dias.


No dia 16 deste mês, ocorreu uma reunião da Câmara Setorial de Grãos com a presença de representantes do Banco do Brasil e do Banco de Brasília (BRB) para expor a situação dos agricultores e iniciar as conversas acerca dessas negociações.


Manejo dos recursos hídricos é discutido em comissão

Durante esse período de poucas chuvas, a Adasa monitora constantemente os rios. A agência instituiu, com a Emater, a Agência Nacional de Águas e a Secretaria da Agricultura, comissões de acompanhamento ds bacias críticas do Distrito Federal, principalmente aquelas voltadas para a produção agrícola, como Pipiripau, Extrema, Jardim, Rio Vermelho, Descoberto, Alto Rio Samambaia e Paranoá.


As comissões atuam como conselhos locais de recursos hídricos, em que todos se reúnem para discutir o manejo da bacia e propor soluções de proteção, conservação e compartilhamento do uso da água.


Nos encontros, os técnicos dos órgãos envolvidos apresentam aos agricultores informações técnicas (precipitação, vazão, disponibilidade hídrica da bacia, qualidade de água), previsões e simulações da disponibilidade de água. De posse dessas informações e devidamente capacitados, os usuários de água podem discutir e decidir como repartirão a água entre eles.

 

COMENTÁRIOS