compartilhar

KICK OFF METTING: Extremistas invadem Centro de Convenções onde se realiza o

VEJA VÍDEO... Governo vai apurar se sindicalistas da Caesb são responsáveis por danos. Sindágua nega responsabilidade; evento ficou parado entre 11h e 14h.

Extremistas ligados ao SindÁgua invadiram pela manhã o Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília, espaço onde está sendo realizado a Kick Off Metting, prévia do Fórum Mundial das Águas, realizado pela Adasa.


Em movimento salarial, os manifestantes faziam piquete do lado de fora do evento quando decidiram entrar no local.

 

Como não estavam credenciados, decidiram invadir.

 

Pelo menos seis seguranças foram agredidos por um grupo, que envolvia pelo menos 150 pessoas. 

 

Os sindicalistas quebraram uma porta que dava acesso à conferência, onde pelo menos 100 autoridades mundiais estavam presentes.

 

A Polícia Militar chegou a ser acionada, mas não chegou a tempo de impedir a invasão.

Pelo menos quinze conferencistas deixaram o local quando a área foi invadida. 

O evento parou entre 11h e 14h. Segundo a Secretaria de Turismo, que administra o prédio-sede do evento, cerca de 200 servidores com camisas e bandeiras do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Água e Esgoto (Sindágua) tentaram invadir e acabaram quebraram o portão de vidro. Seis seguranças ficaram feridos.

 

De acordo com a secretaria, os cerca de 150 manifestantes empurraram pelo menos seis seguranças ao tentar invadir o espaço. Segundo a pasta, eles não estavam credenciados. Por questão de segurança, o auditório foi esvaziado.

 

Greve
Os servidores da Caesb entraram em greve por tempo indeterminado em 16 de maio. Os funcionários pedem reajuste de 19% em salários e benefícios e redução da jornada. O sindicato pede também a redução de cargos comissionados, implementação de tarifa com base na renda per capita familiar, criação de comissão para estudo de fluxo de caixa e de investimento, fim da terceirização e contratação de concursados.

 

Durante a greve, segundo o sindicato, 30% dos 2,5 mil servidores permanecem trabalhando. A Caesb tem afirmado que grevistas chegam a barrar a saída de caminhões de empresas terceirizadas, prejudicando serviços como desligamentos e abastecimentos de água.

 

Auditório esvaziado após entrada de integrantes do Sindágua no Centro de Convenções (Foto: Gabriel Luiz/G1)Auditório esvaziado após entrada de integrantes do Sindágua no Centro de Convenções

 

 


 

 

 

 

 

 


.

 

 

 

 

Edição de Arte/Agência Brasília

 

COMENTÁRIOS