Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

NÃO VAI TER GREVE DE RODOVIÁRIOS: Categoria aceita acordo ônibus "extras" rodam nesta 2a.

Profissionais terão 10% de reajuste salarial e 11% no tíquete e cesta básica. Veículos 'extras' vão ao Plano pela manhã e retornam às cidades-satélites à tarde.

Rodoviários e donos de empresas de ônibus da capital federal chegaram a um acordo neste domingo (3) e os coletivos extras, que circulam nos horários de pico, devem voltar às ruas nesta segunda-feira (4).

 

A categoria vai receber reajuste de 10% no salário, 11% para ticket-alimentação e cesta básica e 11% no plano de saúde.

 

O acordo também prevê aumento de 30% no convênio odontológico.

 

Os trabalhadores pediam 19,63% de reajuste salarial (inflação mais 10%), mas cederam por entender as dificuldades financeiras e o cenário econômico atual. O reajuste é retroativo a maio.


“A categoria foi bastante inteligente em aceitar porque o momento é de crise, em geral, política e financeira, com o governo não indo à mesa. Eu deixei bem claro para a categoria que em outros momentos a gente não tinha muito a perder. Hoje é diferente, nós temos plano de saúde e outras coisas”, afirma o presidente do Sindicato dos Rodoviários do Distrito Federal, Jorge Farias.


Os ônibus extras fazem apenas meia viagem, levando passageiros até a rodoviária do Plano Piloto pela manhã e às cidades-satélites de origem no fim da tarde.

 

Os cerca de 500 coletivos foram retirados de circulação no último dia 22, na Grande Brasília. A única empresa com funcionamento normal foi a TCB. A frota total do Distrito Federal é de 2,6 mil ônibus.


Com o acordo, o salário dos motoristas passa de R$ 2.121 para R$ 2.333 e o dos cobradores, de R$ 1.108 para R$ 1.219.

O tíquete é de R$ 660. A categoria avalia a possibilidade de greve.

O valor do tíquete alimentação mais cesta básica passa de R$ 660 para R$ 733.


“A negociação vinha se arrastando há dois meses. Ontem [sábado] eu fiz uma reunião com eles. Às 21h eles fizeram uma proposta, que eu disse que não seria aceita, estava muito aquém, com 8% de reajuste e 9,63% no tíquete”, diz Farias. “Hoje pela manhã, fizemos outra reunião e surgiu essa nova proposta.

 

Fonte: *Via G1 - Clipping

COMENTÁRIOS