compartilhar

TORRES DE CELULARES: Antenas instaladas próximo a escolas serão removidas

Determinação é do MPDF.

Uma decisão do Ministério Público do Distrito Federal (MPDF) pode trazer transtornos para o usuário de telefonia móvel da capital federal.

 

Baseado em uma lei distrital de 2004, que proíbe a instalação de antenas a até 50 metros de escolas, o MPDF estipulou um prazo de 15 dias para que as operadoras apresentem um plano para a retirada de cerca de 32 torres de sinal instaladas próximo ou dentro de territórios pertencentes a escolas públicas e particulares.


O MPDF justifica que, apenas o fato de haver suspeita de que estar estas irradiações possam causar prejuízos à saúde já é suficiente para que as antenas sejam removidas.

 

Em agosto, o órgão também deve concluir uma avaliação de todas as antenas instaladas na capital do país para saber se estão de acordo com critérios ambientais e urbanísticos, além de respeitarem recomendações de saúde. Dentre os riscos à saúde, estariam: distúrbios do sono, atividade epilética em algumas crianças expostas à radiação, severa diminuição da produção de leite e até abortos espontâneos.

De acordo com o diretor de infraestrutura do SindiTelebrasil, Ricardo Dieckmann, esta decisão causará problema no sinal de telefonia móvel não apenas para os moradores próximos das áreas afetadas, como também da população da cidade em geral, uma vez que incluem repetidores de sinal e muitas delas são compartilhadas por mais de uma operadora.

 

“Além dos usuários nas imediações da antena ficarem imediatamente sem sinal, prejudicará outros assinantes do serviço, já que as antenas mais próximas ficarão congestionadas”, alertou. As operadoras alegam que o prazo é curto para avaliar alternativas a fim de suprir a demanda da rede de voz e web. Elas defendem que a remoção das estruturas pode desencadear colapso no sistema de telefonia móvel na capital federal. 

 

Fonte: *Via Alô - Clipping

COMENTÁRIOS