Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

RESPONDENDO A CRIS LOBO: “Campanhas majoritárias têm caixa 2”, diz ex-chefe da Casa Civil do DF

Pelo Twitter, Hélio Doyle, que foi coordenador da campanha de RR (PSB) ao GDF, disse duvidar que alguma campanha majoritária dos últimos 30 anos ocorreu sem doação ilegal. Ele também participou de outros governos do DF

Desde que deixou a chefia da Casa Civil do Governo do Distrito Federal (GDF), em junho do ano passado, Hélio Doyle tem metralhado para todos os lados.

 

Afiado, o jornalista usou o Twitter para fazer uma declaração polêmica no fim de semana.

 

Ao responder uma postagem da comentarista da Globo, Cristiana Lôbo, sobre o depoimento de Mônica Moura confirmando recebimento de “caixa 2” na campanha de 2010, Doyle disparou: “Duvido que alguma campanha majoritária nos últimos 30 anos não tenha tido caixa 2”.

 


Doyle foi o coordenador da campanha de Rodrigo Rollemberg (PSB) em 2010 — uma eleição majoritária.

Depois que o socialista venceu a disputa, Doyle foi promovido a chefe da Casa Civil do GDF, mas entregou o cargo após desgaste com deputados distritais.

O jornalista também trabalhou nas campanhas de Joaquim Roriz, Maria de Lourdes Abadia e Cristovam Buarque ao governo do DF.


 

Duvido que alguma campanha majoritária nos últimos 30 anos não tenha tido caixa2. https://twitter.com/cristilobo/status/756549608856104960 

 

Ao Metrópoles, Doyle foi além: “Não atuei como tesoureiro nas campanhas, mas duvido que qualquer uma das que trabalhei não tenha tido caixa 2, dinheiro não contabilizado. Não dá para ser hipócrita. Isso não é uma prática nova, não começou com a Dilma”, afirmou. Doyle disse que a declaração não indica que ele ache o comportamento legal. “É absurdo? É. É contra a lei? É. Mas é uma cultura do país há muitos anos. Sempre tem aquele empresário que contribui, mas não quer aparecer”, completou.

Foto de mesarios eleitorais atuando

 

Para ele, a reforma eleitoral vai ajudar a diminuir a prática das doações ilegais. 
nova legislação proíbe o financiamento eleitoral por pessoas jurídicas. Ou seja, a partir das próximas eleições, apenas pessoas físicas e recursos do fundo partidário poderão ser usadas nas campanhas.

 

Fonte: *Via Metropole - Clipping

COMENTÁRIOS