Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

PRODUTOS FORA DO PRAZO: Brasilienses podem trocar ítens vencidos por até 6 outros na validade

Acordo entre redes comerciais e Procon valoriza direito dos compradores. Troca é feita por produtos iguais ou similares, mas não vale na madrugada.

"DE OLHO NA VALIDADE"

 

Consumidores do Plano Piloto e das cidades-satélites que comprarem produtos fora da validade em supermercados podem fazer a troca sem custo, e ainda levam para casa outros cinco itens iguais.

 

 

A regra faz parte de um novo acordo firmado entre o Procon e a Associação dos Mercados de Brasília, chamado "De olho na validade", e já está valendo nas principais redes da capital federal.


Se o mercado não tiver seis itens iguais e dentro da validade, o consumidor pode levar produtos similares, de valor próximo. A regra só não vale entre 0h e 7h, porque é nesse período que os funcionários dos supermercados fazem a verificação e retiram os produtos vencidos das prateleiras.


"Todo supermercado tem que dispor de um cartaz, onde vão estar as informações sobre as regras do acordo", diz o diretor-geral do Procon, Paulo Sampaio.

 

A mudança começou na semana passada, mas vale apenas para as redes afiliadas à associação. A lista está disponível no site.

 


Bom para os dois lados
A novidade é boa para os consumidores e também foi aprovada pelos comerciantes.

 

Gerente de atendimento de uma rede de supermercados, Clésia Rocha diz que a regra vai permitir que os clientes ajudem as empresas na fiscalização.


"Esse acordo veio para nos ajudar. Hoje, nossos olhares estão muito mais atentos a isso, exatamente por esse motivo. Pra gente, é muito importante, é o que vai fazer a gente ser cada dia mais criterioso", diz Clésia.


Os compradores também aprovaram a mudança. "É uma das poucas medidas hoje em dia que tem compensado pro consumidor, né? Buscar junto à população que esses produtos sejam identificados, evitando qualquer tipo de dano ao consumidor", diz o servidor público José Avelino da Rocha.

 

Fonte: *G1 - Clipping

COMENTÁRIOS