Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

"BAR DO RUSSOMANO": Bar do Alemão é desocupado (perto do Alvorada), 12 dias após Justiça ordenar despejo

Local acumula R$ 2 milhões em dívidas com aluguel, não pagos desde 2014. Celso Russomanno, filha de ex-deputado e delator da Lava Jato estão entre sócios.

O Bar do Alemão, que tem entre os sócios o deputado federal e pré-candidato a prefeito de São Paulo Celso Russomanno, foi desocupado nesta quarta-feira (17) em Brasília, 12 dias após a emissão de uma ordem de despejo pela Justiça.

 

Segundo o processo, nenhum aluguel do local foi pago desde março de 2015, no valor de R$ 70 mil mensais.

 

A dívida acumulada é de R$ 2 milhões, somando as dívidas e atrasos com aluguel, com correção monetária e juros.


O Tribunal de Justiça do Distrito Federal havia ordenado o despejo do estabelecimento no último dia 5. O bar ocupava um espaço de luxo às margens do Lago Paranoá.


A ação na Justiça surgiu após o não cumprimento de um acordo estabelecido em 2015, que redistribuiu as dívidas anteriores acumuladas desde 2014, também pelo não pagamento de contratos do local.


O bar foi avaliado em R$ 7 milhões pela Receita Federal. A assessoria de Russomanno informou que o bar “operou no prejuízo” ao longo dos últimos 12 meses “por causa da crise econômica” e disse que os trabalhadores vão receber os salários atrasados, sem informar valores.


Além do político paulista, a lista de sócios do Bar do Alemão é formada pela filha do ex-deputado Eduardo Gomes (PSDB-TO), Luna Mirah Gomes; pelo empresário Geraldo Vagner de Oliveira, morto em junho em um acidente aéreo em Jundiaí (SP), e pelas empresas Yellowwood Consultoria e Unialimentar Comercio e Serviços Alimentares Ltda.

 

 Um dos delatores na Operação Lava Jato e ex-executivo da empresa Toyo Setal, Augusto Mendonça Neto, também participava da sociedade.Durante o cumprimento de ordem de despejo, funcionários retiram letreiro da fachada do estabelecimento, no Lago Norte, nesta sexta-feira (5) (Foto: André da Mata/Arquivo Pessoal)


Durante o cumprimento de ordem de despejo, funcionários retiram letreiro da fachada do estabelecimento, no Lago Norte 

De acordo com a assessoria de Celso Russomanno, o grupo de administradores decidiu fechar o estabelecimento e demitir os funcionários, que "terão os direitos trabalhistas pago".


O advogado da empresa proprietária do lote, André da Mata, diz que mais de 50 pessoas foram demitidas.

"Foi constatado que eles não pagaram o aluguel desde 2013 e a dívida com encargos, com o aluguel, o IPTU e até contas de luz chega a R$ 2 milhões. Mas ainda falta o processo trabalhista. Nesse tempo todo eles tentaram continuar no imóvel sem pagar a dívida. Isso é um absurdo", disse ao G1.


Despejo
Em junho, os proprietários foram intimados pelo Tribunal de Justiça do DF a desocupar o estabelecimento voluntariamente em 30 dias. Como não cumpriram a medida no prazo estipulado, uma multa diária de R$ 5 mil foi cobrada após esse período.

O despejo só aconteceu, de fato, depois que a Justiça emitiu uma ordem de desocupação compulsória. No dia da decisão judicial, o Bar do Alemão completava 20 dias de descumprimento da decisão anterior. Somada, a multa alcança R$ 100 mil.

 

Fonte: *Via G1 - Clipping

COMENTÁRIOS