compartilhar

RR SE DEU BEM: Afastamento da Mesa Diretora da Câmara Distrital beneficia Rollemberg

No dia seguinte à determinação judicial que tirou, ao menos temporariamente, os opositores Celina Leão e Raimundo Ribeiro, Rollemberg conseguiu emplacar projetos de interesse do GDF

Hoje, a Mesa é comandada por um aliado do governador.


No mundo dos negócios, há um senso comum de que toda crise vem com grandes oportunidades. Transportado para o momento político do Distrito Federal, o paradoxo pode ser traduzido da seguinte forma: o afastamento da Mesa Diretora da Câmara Legislativa beneficiou o governo de Rodrigo Rollemberg (PSB).

 

Numa só tacada, a Operação Drácon, deflagrada na terça-feira (23/8), tirou do comando da Casa dois fortes opositores ao governador: a presidente, Celina Leão (PPS), e o primeiro-secretário, Raimundo Ribeiro (PPS). 

Ambos já foram aliados do socialista, mas nos últimos tempos vinham embarreirando as pretensões do GDF no parlamento.

Resultado de imagem para juarezão presidente da cldf

Para se ter uma ideia de como a vida do Palácio do Buriti foi facilitada na CLDF, um dia após a Justiça decretar o afastamento dos titulares da Mesa Diretora, foram aprovados dois projetos estratégicos para Rollemberg.

 

Um deles, o PL nº 1.108/2016, permitirá ao GDF ampliar financiamentos junto à Caixa Econômica Federal até o valor de R$ 60 milhões.

 

 Já o PL nº 1.166/2016 autoriza o governo a abrir crédito suplementar de R$ 525 milhões. Os recursos são provenientes da arrecadação obtida com a venda de ações da Companhia Energética de Brasília (CEB).

  

Tudo porque o comando da Câmara Legislativa caiu no colo de um correligionário de Rollemberg. Na segunda-feira (22), o deputado Juarezão(PSB) foi eleito vice-presidente da CLDF no lugar de Liliane Roriz (PTB).

 

A distrital havia renunciado ao cargo no dia 17, horas antes da divulgação dos grampos que deflagraram crise do Bonde da Propina. Os áudios, feitos por Liliane, sugerem a existência de um esquema de cobrança de “ajuda financeira” de empresários em troca da liberação de recursos.


Foram justamente essas gravações, entregues ao Ministério Público, que motivaram a Operação Drácon e o afastamento de toda a Mesa Diretora. Dessa forma, a presidência ficou com Juarezão, que agora tem a prerrogativa de pautar os projetos que serão votados.


E não ficou por aí
Resultado de imagem para juarezão presidente da cldfOutro aliado de primeira hora de Rollemberg é o agora primeiro-secretário, Agaciel Maia (PR). Ele é o principal nome do Palácio do Buriti para disputar, em janeiro do ano que vem, a presidência da Câmara Legislativa. A preferência pelo nome de Agaciel se dá pela atuação do distrital a favor do GDF. Nos últimos meses, ele foi um dos fiadores dos interesses palacianos na CLDF.


Os demais integrantes da Mesa podem não ter o mesmo grau de comprometimento com Rollemberg, mas estão longe de serem considerados oposição. O novo segundo secretário, Lira (PHS), diz que não é da base do governador. Até mesmo chegou a perder cargos na estrutura do Executivo. Ainda assim, o distrital de primeiro mandato é sempre lembrado nos convites de reuniões dos aliados.


 

As relações entre Rollemberg e Lira ficaram um pouco estremecidas depois que o distrital propôs a criação da Comissão Parlamentar de Inquérito da Saúde (CPI da Saúde), que investiga irregularidades na pasta durante a gestão Agnelo Queiroz (PT) e no governo atual. Mesmo assim, Lira continua a votar e até defender o governo.


O novo terceiro-secretário tampouco é obstáculo para os projetos do Executivo que tramitam na Câmara. Rodrigo Delmasso (PTN) se apresenta como independente, mas tem bom relacionamento com o governador.


No binômio conveniência e oportunidade, o Palácio do Buriti deve acelerar a apresentação de propostas no parlamento. Dois desses projetos precisam ser finalizados antes do envio à CLDF. É o caso do Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília (PPCUB) e a Lei de Uso e Ocupação do Solo (Luos).

Resultado de imagem para juarezão presidente da cldf

Outro assunto que interessa Rollemberg é passar 23 dos 306 hectares  Ezequias Heringer para uso da Terracap. Assim, a agência poderá vender as terras. O espaço fica em área nobre, ao lado do ParkShopping. A proposta ainda tramita na Comissão de Meio Ambiente da Câmara Legislativa para ser analisada.


Corrida contra o tempo
Tudo o que o GDF conseguir emplacar nesse período de turbulência na Casa será lucro. Até mesmo porque, a saída dos titulares da Mesa Diretora pode ser revertida na Justiça. Além da presidente, Celina Leão, e de Raimundo Ribeiro, foram afastados o agora ex-líder do governo Júlio César (PRB), segundo-secretário; e Bispo Renato Andrade (PR), terceiro-secretário.

 

Fonte: *Metropole - Clipping

COMENTÁRIOS