Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

"DRUNKBUSTER": Detran compra óculos que simulam efeitos após uso de álcool e drogas

Eles serão usados em ações educativas de trânsito e na formação de condutores. Órgão é o primeiro do país a utilizar o equipamento. Custo, entretanto, não foi informado

O Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran) vai incrementar as ações educativas de trânsito com óculos que simulam efeitos de álcool e outras drogas, tanto em condutores como em pedestres. Para isso, foram adquiridos quatro óculos “DrunkBuster”.

 

A tecnologia americana já é bastante utilizada nas escolas dos Estados Unidos mas, no Brasil, o Detran de Brasília é o primeiro a comprar os equipamentos.


Cada um dos quatro modelos adquiridos possuem finalidades diferentes: o de cinta verde oliva simula os efeitos do uso da maconha; o de cinta camuflada simula efeitos de outras drogas; e dois outros simulam efeito de álcool em concentrações diferentes no organismo humano – o de cinta azul corresponde à concentração de álcool entre 0,29 e 0,38 mg/l de ar expelido e o de cinta preta, entre 0,38 e 0,71 mg/l.


Ao colocar os óculos, a pessoa identifica nitidamente que sua percepção de distância e velocidade fica alterada, em razão da perda de foco, o que pode ser observado pelo andar ziguezagueando, lentidão na tomada de decisão e resposta tardia aos estímulos do trânsito.


O Núcleo de Programa Educativo de Trânsito (Nupet) está elaborando um projeto bem detalhado do uso dos equipamentos. “Nosso objetivo é desestimular a direção sob efeito de álcool e outras drogas, por meio da conscientização dos riscos a que se expõem condutores e pedestres alcoolizados ou que tenham feito uso de entorpecentes”, explicou Tiago Moreira, chefe do Nupet.


O departamento vai utilizar os óculos em blitzes educativas, palestras em empresas e escolas, cursos de reciclagem de condutores – oferecidos pela Escola Pública de Trânsito, e ainda na formação de novos condutores, em parceria com as autoescolas. O órgão não informou quanto foi gasto com os equipamentos. (Com informações do Detran)

 

COMENTÁRIOS