Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

OPERAÇÃO MISTER HYDE: Médicos que faziam cirurgias desnecessárias são alvo de operação em Brasília

Eles ganhavam 30% a mais com cirurgias, dizem investigadores...

De acordo com a Polícia Civil e o MPDF, quanto mais caros os materiais utilizados nas operações, maior a propina recebida pelos especialistas


Uma investigação da Polícia Civil desarticulou, na manhã desta quinta-feira (1º), uma organização criminosa formada por médicos e empresários do Distrito Federal.

Os profissionais da saúde realizavam cirurgias desnecessárias com a finalidade de enriquecimento, superfaturavam equipamentos, trocavam de maneira fraudulenta próteses e usavam material vencido em pacientes.

 

 Segundo a Polícia Civil, o grupo tentou matar uma pessoa que denunciou o esquema.


A polícia acredita que cerca de 60 pacientes foram lesados em 2016 somente por uma empresa. O esquema movimenta milhões de reais em cirurgias, equipamentos e propinas.

Estão sendo cumpridos 21 mandados de busca e apreensão, 12 mandados de prisão (sete temporários e cinco preventivas) e quatro conduções coercitivas em vários locais do Distrito Federal.


Os agentes da Polícia Civil apreenderam mais de R$ 50 mil na casa de um dos médicos. Na Tm Medical, a polícia apreendeu aproximadamente R$ 69 mil, uma farta documentação de clientes e um cofre.

 

Além dos pacientes, que correm risco de sofrer sequelas provocadas pelas lesões intencionais, o outro alvo do esquema são os planos de saúde, que acabam pagando mais caro por uma cirurgia que não necessitaria de órteses ou próteses.

 

 Cofre encontrado na Tm Medical (Foto:Polícia Civil) A propina geralmente é paga por depósito nas contas dos médicos ou então entregues em espécie nas proximidades dos hospitais onde ocorrem as cirurgias.

 

 

Cofre encontrado na Tm Medical (Foto:Polícia Civil)


Sindmédico solta nota em relação à operação Hyde deflagrada pela PCDF


 

 

Na manhã desta quinta-feira (01), Brasília foi surpreendida com mais uma operação realizada pela polícia civil PCDF. Desta vez os envolvidos são empresários e médicos ortopedistas da rede particular e em alguns casos, servidores da Secretaria de Saúde do GDF. 

 

A operação foi deflagrada pela Divisão Especial de Repreensão ao Crime Organizado (Deco), que desarticulou um esquema criminoso envolvendo cartel formado por empresários do setor, que fornecem material de órtese e prótese a rede pública e privada de saúde

.

 

Veja Nota do Sindicato dos Médicos do DF:

 

O Sindicato dos Médicos do Distrito Federal considera graves as denúncias sobre participação de médicos em esquema de cirurgias para implante indevido de órteses e próteses. Elas devem ser apuradas com o rigor cabível, sendo garantido aos acusados o direito de defesa, como previsto na legislação brasileira. Aos inocentes indevidamente acusados deve ser feito desagravo público.

 

Os eventuais desvios de alguns não podem ser tomados como exemplo da conduta dos profissional da medicina, que são respeitadores e cumpridores da leis e submetidos a um rígido código de ética. Esse tipo de desvio é repudiado pela classe e suas entidades representativas.

20160217 Gutemberg - Perfil (57)O presidente do SindMédico-DF, Gutemberg Fialho, tem denunciado a prática em palestras ao longo dos anos, como registrado nos Anais da Academia de Medicina de Brasília de 2012.

 

Além de elevar custos de operação nos sistemas público e privado, a indicação de procedimentos desnecessários e superfaturados expõe pacientes a risco. Por isso, tanto quanto são na área pública, os escândalos dessa natureza na iniciativa privada devem ser alvo da indignação púbica e combatidos com rigor pelo Estado. (*AGENDA CAPITAL)

 

 

COMENTÁRIOS