Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

RESGATANDO CONFIANÇA: Setor varejista brasiliense começa a ter fôlego

Com definição de cenário político, empresas começam a resgatar confiança

Após a definição do cenário político brasileiro, o varejo e o mercado de trabalho do Distrito Federal começam a reagir positivamente ao contexto.

 

Como retrato da retomada da confiança do empresariado brasiliense na economia, algumas empresas já oferecem novas oportunidades de empregos na expectativa do crescimento das finanças.


Uma grande rede de farmácias do Distrito Federal, por exemplo, abriu processo seletivo para o preenchimento de 25 vagas em cinco áreas. “Nosso intuito é sempre fazer a economia girar e a geração de emprego amplia o poder de compra da população”, disse Emílio José de Azevedo, gerente-geral da Drogaria Rosário.

 

“Nossa intenção é sempre fazer a economia girar e a geração de emprego amplia o poder de compra da população”, completou. Uma rede de fast-food americana abriu sua 31° filial no setor de indústrias do Guará e também deve oferecer mais vagas.

 

 

Segundo Adelmir Santana, presidente do Instituto Fecomércio, o otimismo do mercado em um novo folêgo econômico deve crescer ainda mais. “Com a definição de um governo permanente, acredito que o ambiente econômico deve melhorar. O mercado dá sinais de que essa estabilidade beneficia tanto os investidores quanto os consumidores, que podem voltar a fazer planos mais duradouros e tendem a recuperar a sua confiança no ambiente político e econômico. Somente essa mudança de paradigma já representa, por si só, uma boa dose de otimismo”, analisou.


Pesquisas também comprovam a tese de uma melhora na perspectiva dos empresários.

Segundo dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) divulgados no dia 2, 48% dos varejistas acreditam que os próximos meses serão melhores do que os oito primeiros de 2016. De acordo com o estudo, no início de 2016, 39,5% dos empresários consultados acreditavam que o primeiro semestre seria melhor que a segunda metade de 2015. 

 

Fonte: *Via Alô - Clipping

COMENTÁRIOS