Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

CRISE NA POLÍCIA CIVIL: Delegados criticam “inércia” de diretor-geral da corporação

Em documento denominado “Moção de Desconfiança” e entregue a Eric Seba nesta 2a., a categoria acusa o chefe da PC de não defender os interesses da corporação e de estar inerte diante das reivindicações de agentes e delegados

Em mais um capítulo da queda de braço entre a Polícia Civil e o Governo do Distrito Federal (GDF), os delegados entregaram, nesta segunda-feira (19/9), uma “moção de desconfiança” ao diretor-geral da corporação, Eric Seba.

 

Segundo o presidente do Sindicato dos Delegados (Sindepo), Rafael Sampaio, a ideia é deixar bem clara a insatisfação da categoria com o chefe da Polícia Civil.

 


“A categoria entende que houve quebra de confiança entre os delegados e o diretor. Percebemos a inércia dele durante as negociações com o governo para conseguirmos o aumento salarial que buscamos. Nós colocamos o diretor na lista tríplice e o governador o escolheu e ele não está dando o retorno que esperávamos”, afirmou Sampaio.

 

O documento, assinado pela Associação e pelo Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do DF (Adepol e Sindepo), ao qual o Metrópoles teve acesso, pontua a “falta de esforço” de Eric Seba nas negociações salariais da categoria, que busca a paridade com a Polícia Federal. No documento, os delegados acusam ainda o diretor-geral de não agir em prol dos interesses da categoria. Até a publicação desta reportagem, a Polícia Civil não havia se posicionado sobre a “moção de desconfiança”.

Divulgação

Entenda o caso
Os policiais civis estão mobilizados desde 4 de julho, quando foi deflagrada a Operação Legalidade. De lá para cá, os sindicalistas pressionam o governo para que a categoria consiga reajuste de 37%, igualando assim com os salários dos agentes federais.
Foto: Divulgação/Sinpol

Entre os desdobramentos da operação, mil servidores da Polícia Civil, incluindo os delegados, entregaram seus cargos de confiança. Na prática, essa exoneração ainda não foi confirmada pelo GDF, o que causa ainda mais insatisfação na categoria.

A crise na Polícia Civil é tão grave que, na semana passada, a própria direção-geral permitiu a alteração no horário de funcionamento de 21 delegacias que funcionavam 24 horas. Uma medida nunca antes vista no Distrito Federal. Elas estão funcionando desde quarta-feira (14/9), apenas das 12h às 19h . Somente 10 unidades estão em regime de plantão de 24 horas.

 

Fonte: *Via Metropole - Clipping

COMENTÁRIOS