compartilhar

RETRAÇÃO: PIB foi negativo e construção civil foi o setor que teve a maior queda

A indústria foi a que mais sofreu com a retração da economia brasiliense em 2014. Com diminuição de demanda por consumidores mais cautelosos, o empresariado cortou os investimentos.

 

No Distrito Federal, segundo dados da Companhia de Planejamento (Codeplan), todas as atividades do setor regrediram e, pela primeira vez desde 2011, o resultado no Produto Interno Bruto (PIB) foi negativo. Pior foi para a construção civil, que teve a maior queda: -7,7%.


Além da situação econômica, é determinante para a retração da contrução a dificuldade de aprovar projetos. “Com uma grande dificuldade na autorização das construções, ficamos sem poder fazer novos orçamentos e perdemos o círculo virtuoso.

Resultado de imagem para construção civil parada

Desde então, continuamos com grande dificuldade”, explica Paulo Muniz, presidente da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do DF (Ademi-DF). Em 2014, segundo o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de Brasília (STICMB), 45 mil homologações de demissões aconteceram.


PONTO DE VISTAResultado de imagem para PIB

Professor de Finanças Públicas da UnB, Roberto Bocaccio Piscitelli afirma que a desaceleração na construção civil era previsível após o boom do setor, mas surpreendeu-se pelo crescimento do ensino e saúde privados mesmo dentro do panorama geral de crise, desemprego e queda de renda, que já dava sinais em 2014.

 

“Pode indicar que famílias continuam apostando no privado e fazendo sacrifícios para manter os dependentes no ensino que supostamente tem melhor qualidade e sem greves. No caso da saúde, pode ser sinal do desespero pela deterioração da rede pública. Naquele ano, a coisa não tinha desandado tanto”, lembra. Ele ressalta que uma pequena parte da população tem rendas muito altas, o que elevaria os índices e usufruem mais dos serviços privados que cresceram no ano.


Para o presidente da Ademi, certamente no próximo PIB, referente a 2015, a participação da área será ainda mais baixa. “As pessoas perderam a confiança e estão recuperando só agora. A velocidade de vendas vai fechar em torno de 5%, que é bem próxima da realidade”, ressalta.


Entre os mais ricos

O PIB-DF cresceu 2,0% em 2014 comparado ao ano anterior, com R$ 197,432 bilhões. o número colocou o Distrito Federal como a 8ª maior economia do País, acima da média nacional, de 0,5% de aumento. O crescimento, todavia, é inferior ao registrado em 2013, quando o quadro teve adição de 3,7%.

Dividindo o faturamento anual pelo número da população, o Distrito Federal tem, disparado, o melhor rendimento. Como nos anos anteriores, o índice se manteve o mais alto, atingindo R$ 69.217 per capita. O número da capital federal é 2,4 vezes o do Brasil (R$ 28.500); 1,6 vezes o de São Paulo (R$ 42.198), que é o segundo maior, e 6,2 vezes o do Maranhão (R$ 11.216), o menor.


Destaque agropecuário

O setor agropecuário cresceu 42,5% com R$ 770 milhões no valor bruto em 2014. Apesar do avanço, o setor pouco representa no todo, já que tem a menor participação na economia distrital. Para os pesquisadores, isso justifica-se pela pequena dimensão territorial. Fatores climáticos ou pragas, por exemplo, interferem toda a produção.


Moradores apelam ao setor privado

O melhor desempenho dentro do setor de serviços, que mais movimenta recursos no DF, foi a atividade de Educação e Saúde mercantis, que cresceram 10,2%. De acordo com a chefe do Núcleo de Contas Regionais da Codeplan, Sandra Regina Silva, o número indica que os brasilienses, cada vez mais, estavam optando por instituições particulares.


Na Educação, o índice já não reflete a realidade. “Havia um fluxo crescente de troca de escolas particulares por públicas, mas, infelizmente, com a crise, o próximo PIB deve aparecer com decréscimo da atividade”, acredita Álvaro Domingues, presidente do Sindicato das Escolas Particulares. De acordo com ele, mais de três mil estudantes já fizeram o caminho inverso. No declínio, já há demissões, inadimplência e escolas fechadas.


Para Marli Rodrigues, titular do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde, é surpreendente que a saúde privada tenha crescido, mas compreensível. “Talvez, com esse pensamento, as pessoas estão abrindo mão de viver outras coisas na vida e pagando plano de saúde ou consultas particulares”, opina. Depois daquele ano, lembra, a situação piorou: “Hoje em dia, a questão está mais séria“.


ENTENDA

Fatia hoje é menor
Capital Federal tem 3,4% do PIB

  • O PIB é a soma dos valores da produção de bens e de serviços ao consumo intermediário e aos impostos.
  • Para medir os números de 2014, o IBGE e a Codeplan analisaram dados desde 2010 para comparar resultados anuais. No primeiro ano, o PIB-DF atingiu R$ 144,174 bilhões; em 2011, R$ 154,569 bilhões; em 2012, R$ 164,101 bilhões; e em 2013, R$ 175,907 bilhões.
  • A participação do DF no PIB nacional reduziu-se de 3,7% em 2010 para 3,4% em 2014. São Paulo (32,2%) é a região com maior participação e Roraima (0,2%) tem o menor índice. No Centro-Oeste, a participação diminuiu de 40,6% para 36,4%.(*Por Jéssica Antunes)

 

Fonte: *Via JBr/Clipping

COMENTÁRIOS