compartilhar

HOSPITAL MATERNO INFANTIL: Protestos por melhorias e grande abraço no hospital, marcam 50 anos do HMIB

No passado, hospital da Asa Sul foi reconhecido como unidade de referência no Centro-Oeste

Cerca de 300 servidores da Saúde, se reuniram na manhã desta terça-feira (29) em frente ao Hospital Materno Infantil de Brasília (HMIB), para comemorarem o aniversário de 50 anos do HMIB, e ao mesmo tempo fazerem um protesto pacífico por melhorias, com um grande abraço em volta do Hospital.

 

 

Alguns servidores aposentados, (médicos, enfermeiros e auxiliares), foram prestar solidariedade ao movimento, como o ginecologista obstetra, Avelar Barbosa, que foi o 1º residente do hospital, além de gestores e simpatizantes do HMIB.

 

Hospital Materno Infantil de Brasília (HMIB), no passado, foi reconhecido como unidade de referência no Centro-Oeste, tendo a maior UTI Neo Natal e o melhor serviço de cirurgia pediátrica do Distrito Federal, além de oferecer a população um atendimento especializado em cirurgias de recém-nascidos da capital.

 

De acordo com relato dos servidores e dos próprios pacientes, está faltando fralda, capote, insumos necessários para realização de procedimentos cirúrgicos ginecológicos, compressas adequadas, focos cirúrgicos quebrados, roupas cirúrgicas, lençóis, entre outros itens.

 

Para agravar a situação, mesmo com o corpo de profissionais desfalcado e falta de espaço para internação, o Hospital da Criança e o Hospital de Base, têm encaminhado pacientes crônicos com câncer para internação no HMIB.

 

A Daniela tem um filho de 10 anos que está internado a uma semana e sofre de uma doença degenerativa. Segundo a paciente, “Não é só fralda que está faltando. Hoje fiquei sabendo pela manhã que houveram mães que tiveram de trazer seringas de casa, para poder dar medicamento às crianças, por que nem o básico está tendo”, disse.

 

A presidente do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Brasília (SindSaúde), Marli Rodrigues, em entrevista ao Agenda Capital, declarou que o hospital chegou neste estado, porque o governo quer privatizar e entregar as Organizações Sociais para gerir a Saúde Pública do GDF.

 

Para o presidente do Sindicato dos Médicos do DF (SindMédico), Gutemberg Fialho, o manifesto de 50 anos do HMIB, “é um momento de emoção com a sua história e o compromisso na prestação de serviços à população, ao mesmo tempo que é um momento de tristeza, por ser um hospital tradicional na cidade, que acolhe gestantes e crianças, e que agora o governo deixou o “caos” se estabelecer, para implantar as Organizações Sociais, faltando praticamente de tudo”, explicou o sindicalista.(*Por:Delmo Menezes)

 

Fonte: *Via Agenda Capital/Clipping

COMENTÁRIOS