compartilhar

EXAME DO ENSINO MÉDIO: Segundo dia do Enem tem provas de redação, linguagens e matemática

Sob chuva, um grupo de 14 pessoas conseguiu entrar na faculdade Unip, da Asa Sul, segundos depois das 13h deste domingo (4/12)

A chuva atrapalhou a vida dos estudantes que participaram do segundo dia de prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) neste domingo (4/12).

 

Alguns não conseguiram chegar a tempo. Outros entraram depois das 13h, quando os portões têm de ser fechados. Na Universidade Paulista (Unip), na 913 Sul, os seguranças deixaram um grupo de 14 candidatos ter acesso ao local segundos depois desse horário. Eles reabriram o portão para a entrada dos estudantes, conforme vídeo feito pela reportagem (confira abaixo).


Mas teve gente que também chegou depois e ficou de fora. É o caso de Luís Fernando Carrava, 45 anos. Ele foi um dos nove candidatos que não conseguiram chegar a tempo para a prova. Morador do Itapoã, esperou 40 minutos na parada de ônibus. Sem sucesso, pediu carona a um amigo. “Depender de ônibus no DF é muito ruim”, afirmou. Ele estava confiante após a primeira prova, mas agora terá que esperar pelo exame de 2017.


Brena Thalissa, 18, teve dificuldades para chegar ao local de prova. Moradora do Paranoá, veio de ônibus para a Unip e chegou 10 minutos antes dos portões fecharem. “A chuva atrapalhou muito, o trânsito estava ruim”, disse.

Neste domingo (4/12), os participantes da segunda aplicação do Enem 2016 fazem provas de linguagens, códigos e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias; e redação. O segundo dia de provas dispõe de um tempo de duração maior. Os candidatos terão cinco horas e 30 minutos para responder 90 questões de múltipla escolha e fazer uma redação de até 30 linhas.


No sábado(3/12), os candidatos fizeram provas nas áreas de ciências humanas e suas tecnologias e de ciências da natureza e suas tecnologias. As provas foram aplicadas em 165 municípios e 418 locais de prova. No Distrito Federal, 8.503 candidatos participam do exame.


 

Segunda aplicação

O Enem foi aplicado no início de novembro para 5,8 milhões de candidatos, mas 277.624 tiveram o exame adiado por conta das ocupações das escolas, o que custou aos cofres públicos um adicional de R$ 10,5 milhões.

O Inep, do Ministério da Educação, informou que não houve entrada de alunos fora do prazo: “em contato com o Consórcio Aplicador, houve necessidade de realocação de aplicadores de um bloco para outro, ou seja, a entrada de pessoas em um dos portões da Unip, após as 13:00 , referia-se a aplicadores sendo realocados”.

 

Fonte: *Via Metropole/Clipping

COMENTÁRIOS