compartilhar

PRACA DOS 3 PODERES: “Chama eterna” do Panteão da Pátria é apagada; GDF não tem verba para manutenção

Monumento foi interditado em setembro para manutenção e precisa passar por reforma na tubulação. Pira se mantém acesa desde 1986, quando foi construída, e homenageia democracia e liberdade.

Interditada pela Defesa Civil do Distrito Federal após um vazamento de GLP (gás liquefeito de petróleo), a “chama eterna” do Panteão da Pátria está apagada desde setembro. O monumento foi construído em homenagem ao ex-presidente Tancredo Neves, à liberdade e à democracia – por isso, a pira nunca deveria se “esgotar”. A Secretaria de Cultura diz não ter recursos para manutenção e prevê só conseguir realizar licitação em 2017.


Essa é a primeira vez, desde que o panteão foi instalado, em 1986, que a chama é mantida apagada. A secretaria informou que trabalha junto à Novacap – responsável por obras do governo local – para levantar custos para uma reforma na tubulação do equipamento.

O monumento fica na Praça dos Três Poderes, cercada pela sede do Executivo (Palácio do Planalto); Judiciário (Supremo Tribunal Federal); e Legislativo (Congresso Nacional).


Presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Distrito Federal, Alberto Alves de Faria critica a situação. “Tanto a pira quanto os demais patrimônios que compõem a cidade oferecem uma projeção externa de Brasília e têm um significado representativo tanto para estudiosos, como para turistas, acadêmicos, arquitetos”, diz. “Além disso, não deixa de ser simbólica a coincidência de que a chama da República esteja comprometida logo nesse momento complicado [político em] que estamos.”

Pira do Panteão da Pátria apagada (Foto: Gabriel Luiz/ G1 )

O panteão foi projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer, que assina várias outras importantes obras da cidade. Entre os considerados heróis da pátria estão Santos Dumont e Tiradentes. O formato do monumento lembra o de uma pomba. Ele abriga ainda um painel sobre a inconfidência mineira, pintado pelo artista João Câmara Filho, e o Mural da Liberdade, de Athos Bulcão. Em 2007, o local foi tombado pelo Instituto do Patriônio Histórico e Artístico Nacional.


Em 2012, o Panteão passou por reformas, mas a pira não foi contemplada. A Secretaria de Cultura afirmou ao G1 que não há previsão orçamentária para manutenção e reparo dos patrimônios da cidade.


Turismo cívico
Guias de turismo se reuniram no dia 8 de dezembro para uma limpeza simbólica da Praça dos Três Poderes. Eles reclamam que muitos visitantes lamentam o “estado de abandono” do local, que apresenta mato alto, pedras soltas e sujeira. “Esses problemas pontuais serão resolvidos logo, mas a demanda de uma melhor manutenção e preservação do patrimônio é um problema maior”, disse o secretário de Cultura, Guilherme Reis.

O gestor informou ainda que vai aguardar a troca do sistema de tubulação da pira do Panteão para fazer reformas na Praça dos Três Poderes.


De acordo com os profissionais, o fechamento do Teatro Nacional desde 2013 também prejudica as atividades. Reis afirma que até julho do ano que vem deve ser lançado o edital e licitadas as obras de reforma. Ainda não é possível prever quando o espaço estará disponível para o público. Além disso, o projeto de reestruturação do local foi orçado em cerca de R$ 260 milhões, segundo Reis, mas a verba não está disponível. A secretaria agora trabalha para reduzir esses custos.

O secretário diz que vai se encontrar com o atual ministro da Cultura, Roberto Freire e com autoridades federais para discutir uma atuação compartilhada na manutenção dos patrimônios. A pasta também conta com a aprovação da Lei Orgânica da Cultura para destinar verbas para preservação. O projeto está na Comissão de Orçamento e Finanças na Câmara Legislativa, mas a bancada evangélica já declarou que tentará obstruir a votação. Os parlamentares alegam que o projeto não abarca o segmento gospel e por isso não pode ser aprovado agora.

 

Fonte: *Via Metropole/Clipping

COMENTÁRIOS