compartilhar

ELEIÇÃO DA CÂMARA DISTRITAL: Rollemberg Perdeu Porque Errou; E Continua Insistindo No Erro

A eleição de Joe Vale (PDT) para a presidência da Câmara Legislativa, ocorrida nesta 5a (15), deixou algumas lições práticas da política tradicional que precisam ser superadas.

O governador Rodrigo Rollemberg (PSB),  nos últimos dois anos combateu a tal “política tradicional”, mas aplicou um  modelo de  composição política que desenvolveu a ponto de alijar partidos e alguns parlamentares do processo de discussão, comprovou que na prática não funciona.


Entretanto, nunca na história da CLDF  houve um empate na disputa pela presidência do legislativo do DF. Governadores do Distrito Federal já deixaram de eleger aliados mas não dessa forma, tão humilhante e inconsequente. Existe a necessidade de Rollemberg  mudar o modelo atual de discussão política sob pena dos próximos 2 anos serem definitivamente  perdidos.


Joe Vale agradeceu a todos os presidentes dos partidos que o apoiaram: Tadeu Filippelli, do PMDB, Xicão do PPS, Rogério Rosso do PSD, Alírio do PTB e Augusto do SD. A eleição de Joe Vale foi construída em conjunto com  deputados e  presidentes de partidos.


Enquanto isso, o governador Rollemberg simplesmente se calou, se limitando a divulgar uma nota oficial reconhecendo a eleição de Joe. Até agora não agradeceu os partidos e deputados que apoiaram Agaciel. Aliás, Rollemberg foi o pior cabo eleitoral de Agaciel Maia (PR).


O exemplo  do PHS,  que conseguiu eleger Kalil, prefeito em Belo Horizonte,  que não era político na capital do estado que é reconhecido por fazer grandes políticos, deve ser levado em conta no DF. Não se deve, na política, desprezar adversários nem menosprezar aliados.


Rollemberg errou em várias oportunidades na relação com sua base de apoio na Câmara Legislativa nos últimos dois anos. Fez acordos ruins,  desprestigiou uns (inclusive o próprio Joe Vale, que ganhou uma enorme fatia do governo de Rollemberg), e desprestigiou deputados e os partidos aliados. Não ouviu conselhos importantes, se isolou e não fez uma grande e relevante reforma administrativa quando ainda tinha tempo.


Se tivesse ouvido e principalmente cumprido com ao menos três deputados, o resultado da eleição que consagrou Joe presidente da Câmara Distrital, teria sido favorável a Agaciel, apoiado por Rollemberg.


Nos tempos de Roriz, não havia espaço no governo dele para “traidores”. Eram sumariamente isolados, ignorados e seus aliados exonerados. O ex-governador também sabia ouvir e principalmente cumprir acordos.

Era extremamente rápido na hora de tomar decisões. Por outro lado, tanto o ex-governador Agnelo Queiroz (PT) quanto Rodrigo Rollemberg (PSB), demoram demais  demitir aliados fracos e descompromissados com a cidade.


Rollemberg foi atropelado pelo grupo da ex-presidente Celina Leão (PPS) devido à sua arrogância e  prepotência. Mesmo com o Diário Oficial nas mãos, o governador não soube usar. O resultado de tamanha derrota, logo será conhecido ainda em 2017.


Se a nova Mesa Diretora der admissibilidade a um dos pedidos de impeachment que se encontram na CLDF, Rollemberg fatalmente será afastado do Buriti. E quem assumirá será exatamente o presidente da Câmara Legislativa, deputado Joe Vale. E quem assumirá o legislativo do DF será o oposicionista Wellington Luiz (PMDB). Pronto: Caminho aberto para Filippelli deitar e rolar para tentar conquistar ocupar a cadeira de governador do DF em 2018.


Rollemberg ainda não percebeu que continua errando – e muito! E o tempo está passando, e a cidade está ficando cada vez pior, com problemas na saúde, educação, transporte e principalmente segurança. E ele não exonera os incompetentes de seu governo!


O governador precisa agir ainda em 2016, usando com rigor e inteligência, o DODF. Não se pode manter na estrutura do  governo, deputados que se rebelaram contra ele. Tem que agir já para esvaziar o poderio dos parlamentares considerados “traidores”.


Mas como Rollemberg é conhecido por sua letargia na hora de tomar decisões importantes, de nada adianta falar mais sobre seus erros e métodos de acertos. A esperança se tornou em desespero. A tal “Geração Brasília” se mostrou inábil e arrogante.

Está na Bíblia, governador Rodrigo Rollemberg: “A soberba precede a queda”.

Que venha logo 2018 com uma geração que tenha,  acima de tudo, inteligência e juízo!                                                 (*Por: Donny Silva)

 

COMENTÁRIOS