compartilhar

"PEDALADAS CONTABEIS": Mais um pedido de impeachment contra o governador Rollemberg

Um dos autores da ação é irmão de Jael Almeida de Carvalho, ex-chefe de gabinete de Celina Leão

O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB), é alvo de um novo pedido de impeachment, que será protocolado na tarde desta terça-feira (20/12).

 

Os autores são o defensor público Kleber Vinicius Bezerra Camelo de Melo e o servidor público da Saúde Erotides Souza Almeida Júnior.


Erotides é irmão de Jael Almeida de Carvalho, que foi chefe de gabinete da deputada distrital e ex-presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal Celina Leão (PPS).

 

Celina e Rollemberg iniciaram a atual legislatura como aliados, mas romperam após uma série de desavenças. Hoje, eles estão em campos políticos opostos.


No pedido, Rollemberg é acusado de ter cometido supostas “pedaladas contábeis”, já que o Tesouro teria assumido despesas que seriam do Instituto de Previdência dos Servidores do Distrito Federal (Iprev-DF). Além disso, o pedido acusa Rollemberg de crime contra os direitos humanos, dada a atual situação da saúde e a ausência de atendimentos a necessitados.


 

Por último, o pedido cita outras cinco denúncias de improbidade administrativa, incluindo renúncias fiscais, recuo no aumento a servidores, suspensão do passe livre e suposto calote em fornecedores. Por último, também são citadas as demolições realizadas pela Agência de Fiscalização do Distrito Federal (Agefis) no atual mandato.


“Queremos mostrar os motivos que nos levaram a essa atitude extrema, que é o pedido de afastamento. É um conjunto da obra que soma ao menos menos oito fatos irregulares”, disse Melo, um dos autores da ação.


Desde o início do mandato, este é o quarto pedido de afastamento do governador. Em setembro, Rollemberg foi alvo de dois pedidos de impeachment por supostos crimes de responsabilidade — ambos já foram arquivados.

Em novembro, a presidente do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Brasília (SindSaúde-DF), Marli Rodrigues, protocolou outro pedido de impedimento, por supostos crimes de responsabilidade.

A assessoria de imprensa do Palácio do Buriti foi procurada e não se posicionou até a última atualização desta matéria.

 

Fonte: *Via Metropole/Clipping

COMENTÁRIOS