compartilhar

IRREGULARIDADES >> Entidades autorizadas a gerir UPAs na Grande Brasilia têm qualificação suspensa

Decisão se baseia em suspeita de fraudes e outras irregularidades. Medida vale até fim das investigações. Ministério Público é contra terceirizar gestão na saúde.

O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, suspendeu nesta quarta-feira (21) decretos de qualificação de duas organizações sociais (OS) que estavam habilitadas para gerir unidades de pronto atendimento (UPAs) na cidade.

 

A decisão tem como base “graves denúncias de irregularidades” apuradas pelo Ministério Público de Contas do DF (MPC-DF).


Estão suspensos os decretos que favoreciam o Instituto Saúde e Cidadania (Isac), de Maceió, em Alagoas, e o Grupo de Apoio a Medicina Preventiva e a Saúde Pública (Gamp), de Cotia, em São Paulo.

Resultado de imagem para UPA DF

 

 

Segundo o MPC, o Isac, especializado na gestão de unidades de saúde, é acusado de deixar um rombo de R$ 3 milhões após assumir um hospital na Bahia.

Já o Gamp é acusado no interior de São Paulo por não cumprir contrato.


Reprodução do decreto assinado por Rodrigo Rollemberg suspendendo qualificação do ISAC. (Foto: Diário Oficial/DF)
Reprodução do decreto assinado por Rodrigo Rollemberg suspendendo qualificação do ISAC. (Foto: Diário Oficial/DF)

Segundo o texto publicado nesta quarta, a suspensão dos dois decretos vale até o fim da apuração das denúncias de irregularidades contra as duas entidades.

 

A Gamp havia conseguido autorização em 25 de janeiro deste ano. Já a Isac, em 27 de abril. Com a decisão, elas não poderão assumir a responsabilidade por nenhuma atividade pública no DF.

Reprodução do decreto assinado por Rodrigo Rollemberg que suspende qualificação da GAMP.  (Foto: Diário Oficial/Reprodução)

Reprodução do decreto assinado por Rodrigo Rollemberg que suspende qualificação da GAMP. (Foto: Diário Oficial/Reprodução)

As OSs são um tipo de associação privada sem fins lucrativos que recebem verbas do Estado para prestar serviços à população. Além destas duas entidades, pelo menos outras 24 foram impedidas contratar com o governo. Uma delas foi a Instituto Novos Caminhos, ligada a um doador de campanha de Rollemberg em 2014 e que foi preso em Manaus por desvios na saúde.

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS