compartilhar

CAOS, DE MAL À PIOR: Sem internet, reposição de remédios na rede pública da Grande Brasília é afetada

Desabastecimento atinge boa parte das 60 unidades que atendem pacientes hipertensos, diabéticos, crianças e também mulheres grávidas

As farmácias dos centros e postos de saúde da Grande Brasília estão à míngua. Um grave desabastecimento atinge boa parte das 60 unidades que atendem pacientes hipertensos, diabéticos, crianças e também mulheres grávidas.

 

Segundo denúncias de servidores que trabalham com a distribuição dos medicamentos, um dos motivos do problema é a falta de internet.


O acesso à rede está suspenso por falta de pagamento e, com isso, pedidos de remédios para reposição, enviados eletronicamente ao Núcleo de Medicamentos Básicos (Numeb), não estão sendo registrados. Como o serviço está sendo feito manualmente, os atrasos na reposição seriam frequentes.


Um servidor que trabalha na farmácia de um dos postos enviou um áudio á reportagem explicando o problema. “Me disseram que por falta de internet o Numeb não está transferindo os medicamentos. O povo vai morrer aqui na porta por falta de medicamento. De uma média de 200 pacientes que eu atendo por dia, só atendi 74 e a maioria só levou um terço dos medicamentos. Hipertensos e diabéticos não estão tendo remédios”, contou.


 

Confira o o desabafo do profissional, que teve a voz alterada para não ser identificado:

 

O funcionário reclama que nem produtos básicos como preservativos, anticoncepcionais e dipirona estão sendo distribuídos pela farmácia. Outros servidores ouvidos pela reportagem confirmaram a denúncia.


PreocupaçãoNathália Cardim/Metrópoles

Metrópoles esteve em algumas dessas farmácias. Em uma delas, na unidade da 508/509 Sul, encontrou a aposentada Marlene de Souza Bento Ferreira (foto de destaque), 69 anos. Dos dez medicamentos prescritos na receita dela, sete estão em falta.

“A minha receita é do dia 9 e até agora eu não consegui pegar nenhum. Tem remédio que custa mais de R$ 200 e não tenho condição para comprar. É muito triste. A gente fica com medo de ter complicações com a falta deles”, desabafou.

Arquivo Pessoal

Servidores mostram prateleiras vazias em farmácia de posto de saúde

 

O problema atinge, ainda, medicamentos essenciais como o sulfato ferroso, que deve ser utilizado por mulheres em período gestacional para garantir a boa formação do feto. “É um descaso com a população”, disparou.


A doméstica Jussara Neiva, de 26 anos, está grávida e após uma semana da prescrição médica conseguiu o sulfato ferroso em um posto da Asa Sul. “Vim duas vezes e não tinha. Hoje, deu certo. Espero que não falte mais. É difícil quando a gente precisa e não tem”, disse.


No Centro de Saúde 10 de Ceilândia Sul várias medicações estão em falta. O aposentado Melquizedeque Ribeiro, 60 anos, tem enfrentado dificuldades para conseguir os remédios de uso contínuo de que precisa.


"Faço uso periódico de remédios, como diamicron (para o fígado e os rins), losartana (contra hipertensão) e hidroclorotiazida (diurético). Fui ao posto buscá-los e estavam todos em falta" - Melquizedeque Ribeiro, paciente

O outro lado
Procurada, a Secretaria de Saúde garantiu que a informação sobre a falta de medicamentos não procede. Em nota, explicou, também, que todas as solicitações de remédios para as unidades básicas de saúde podem ser feitas por meio de documentação escrita: “Não há necessidade de internet para que os pedidos sejam realizados, pois nem todas as unidades da atenção primária possuem rede”.


O serviço de telefone e internet na rede pública de saúde está cortado há mais de cinco meses. A pasta informou que “está analisando as faturas para pagamento à empresa Oi” e reiterou que tem feito todos os esforços para restabelecer o serviço”. Em setembro, a dívida chegava a R$ 1,16 milhão.(*Por: Carlos Carone/Nathália Cardim)

 

Fonte: *Via Metropole/Clipping

COMENTÁRIOS