compartilhar

QUASE DOBROU: Distrito Federal registrou cerca de 20 mil casos de dengue em 2016

O documento mostra que Ceilândia, Samambaia, São Sebastião, Taguatinga e Planaltina concentraram 56% das ocorrências

Um número preocupante para a saúde pública da Grande Brasilia: o número de casos confirmados de dengue cresceu mais de 83% em 2016 quando comparado com o ano anterior.

 

Entre residentes do Distrito Federal e moradores de outros estados atendidos em Brasília, foram 19.982 casos no ano passado, contra os 10.228 registrados em 2015, de acordo com o Boletim Epidemiológico nº 1, divulgado pela Secretaria de Saúde nesta quarta-feira (4/1).


O documento mostra que Ceilândia, Samambaia, São Sebastião, Taguatinga e Planaltina concentraram 56% das ocorrências — 9.932. O maior aumento ano a ano foi registrado em Brazlândia, que sofreu com uma epidemia da doença no início de 2016 e viu o número de ocorrências subir de 348 para 1.942, aumento de 458%.


O número de mortes causadas pela doença, no entanto, diminuiu. Foram 22, em 2016, contra as 28 registradas no ano anterior. Só foram constatadas reduções no número de pessoas infectadas com a dengue na Asa Norte, no Cruzeiro, no Gama, no Lago Sul, em Planaltina, em Sobradinho I e II, e no Varjão.


 

Zika
O documento traz ainda informações referentes ao zika vírus, também transmitido pelo mosquito Aedes aegypti. Foram 177 acometidos pela doença, dos quais 56 infectados no Distrito Federal e 14, em outras unidades.


Em 107 ocasiões não foi possível identificar o lugar onde o paciente adoeceu. Pessoas diagnosticadas aqui, mas que moram em outras regiões, totalizam 23 registros.


De julho de 2015 até o fechamento do boletim, foram diagnosticadas com a doença 28 gestantes que moram no "quadrilatero" e 14, em outros lugares. Das 42, 38 já tiveram bebês. Trinta e cinco deles nasceram sem problemas e dois, com intercorrência, estão sendo avaliados. Um morreu.


Febre chikungunya
Em 2016, foram registrados 153 casos de febre chikungunya confirmados em moradores por aqui. Houve um óbito pela doença, em junho.

 

COMENTÁRIOS