compartilhar

GURI ESFORÇADO:Primeiro lugar do PAS é do Colégio Militar de Brasília

Confira ainda as histórias dos primeiros colocados dos câmpus Ceilândia, Planaltina e Gama

Vinicius Paulo Lima de Menezes, 17 anos, conquistou a melhor pontuação no Subprograma 2014 do Programa de Avaliação Seriada da Universidade de Brasília (PAS/UnB).

Foram 196,814 pontos totais. Ex- aluno do Colégio Militar de Brasília (CMB), ele cursará medicina.


Filho de comerciantes, donos de uma distribuidora de gás e de uma lojinha de roupas de pequeno porte, Vinicius conferiu o resultado da aprovação em casa, pela internet, e ficou muito alegre. “Eu estou muito feliz, contei para minha família e todo mundo está orgulhoso, graças a Deus. Agora é me preparar para o outro desafio: cursar medicina, estou ansioso e sei que será outra batalha, mas vai dar tudo certo”, revela.


Morador de São Sebastião, ele entrou no CMB por meio de um concurso em 2014 e acredita que as boas notas no PAS foram fruto da dedicação aos estudos no colégio, visto que não fez cursinhos nem estudou horas a mais para conquistar a vaga na UnB.

Como teve ótimas pontuações na primeira (78,05 pontos, com a qual conquistou o primeiro lugar naquela etapa) e na segunda (82,874 pontos) etapas, ele desconfiava que conseguiria um bom resultado final. Na terceira etapa, ele tirou 71 pontos.

 

Confira, em vídeo, um relato de Vinicius:


.

Medicina não foi a primeira escolha de Vinicius. Sem saber o que escolher, ele decidiu ingressar no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). Para isso, concluiu o ensino médio um semestre mais cedo, em junho de 2016, e começou a estudar para o ITA por meio de um curso on-line. "Fiquei o mês de agosto estudando, mas, depois de um tempo, vi que não era o que eu queria. Comecei a pensar em medicina, busquei conhecer pessoas da área e vi que este era o curso certo para mim. Estou bem decidido", conta.

 

Nos últimos meses de 2016, o jovem estudou sozinho em casa, mas garante que não se dedicou exaustivamente. "O mais importante é focar na matriz de estudo disponibilizada para o PAS. Mais do que outros checar outros editais e cursinhos, é preciso priorizar isso", percebe.

Vinicius sempre deu mais importância à leitura. "Eu estudava mais lendo o conteúdo. Tinha uma meta: quando eu soubesse ensinar para alguém aquela matéria, melhor até do que o professor, então eu pararia e iria para outra, pois sabia que tinha aprendido", afirma. O estudante praticava judô no CMB e gosta muito de futebol. Para completar as notícias boas do dia, Vinicius revela que ficou muito feliz com o título conquistado por Cristiano Ronaldo, do Real Madrid, de melhor jogador do mundo.

 

Primeiro lugar do câmpus Ceilândia

Moradora de Ceilândia, Carolina Lima de Oliveira, 18, conquistou o primeiro lugar do câmpus de Ceilândia da Universidade de Brasília. Com um argumento final de 112,153 pontos, a ex-aluna do Colégio Ideal, de Taguatinga, conquistou uma vaga para enfermagem e atribui o excelente resultado à dedicação às atividades escolares. “Eu estou muito feliz e animada! Todo mundo aqui está muito alegre: minha família e meu namorado, que ficou super empolgado. Eu sempre gostei muito da área da saúde e estou ansiosa para começar a estudar o que eu gosto”, conta a estudante.

 

Filha de uma secretária escolar da rede pública, Carolina estudava bastante, tirava boas notas e manteve um boletim de alto padrão desde pequena. A aprovação, para ela, não foi surpresa. “Como as notas de corte foram liberadas, eu tinha noção de que estava dentro da margem e acreditava que teria sucesso, mas não esperava passar em primeiro lugar, estou muito feliz”, conta. “Como nós tínhamos prova todo sábado na minha escola, todos os dias eu estava estudando”, explica.

 

Primeira colocada no câmpus Planaltina

Beatriz Albuquerque Pereira, 17 anos, passou em primeiro lugar no câmpus Planaltina da UnB. A estudante foi aprovada para ciências naturais pelo sistema de cotas para negros. Filha de vigilantes, ela é a primeira da família a ser aprovada em uma universidade pública. 

“Eu estou muito feliz mesmo de consegui passar: é uma sensação inexplicável! Meus pais não sabem que eu passei em primeiro lugar: só com a minha aprovação, estão muito orgulhosos”, conta. 

Beatriz estudou no Centro Olímpico de Ensino, em Planaltina. Além de estudar cerca de três horas todos os dias, a estudante participa de movimentos sociais negro e feminista e foi comemorar com amigos na UnB.

 

Campeão do câmpus do Gama

Arthur Queiroz Ramos, 17 anos, desconfiava que conquistaria o topo das pontuações do câmpus do Gama quando teve acesso aos argumentos parciais disponibilizado na primeira semana de 2017. "Quando o resultado saiu no site, eu não consegui acessá-lo. Foi só quando o Cebraspe (Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos) me ligou que eu tive certeza. É gratificante alcançar essa posição porque foi bastante trabalho duro, estudei muito", conta ele, que foi aprovado para engenharias.

 

O argumento final dele foi 155,087 pontos. Na primeira etapa, tirou 45,534; na segunda, 72,262; e, na terceira etapa, 68,937. O calouro concluiu o ensino médio no ano passado no Centro Educacional Leonardo da Vinci, escola da qual foi aluno desde a 7ª série. Ele tinha o hábito de estudar em casa e buscar conhecimentos além do passado pelos professores. "Eu queria me dar bem em química, física e matemática. Então, quando era o dia de estudar estas disciplinas, gastava muito tempo nelas. Nas olímpiadas brasileiras dessas matérias, em 2016, passei para a segunda etapa. Na de química, consegui a medalha de bronze", relembra, feliz.

 
Filho único de professores da Secretaria de Educação, ele aprendeu a ler aos três anos e devorava livros. Arthur é apaixonado por esportes — é faixa marrom no judô, fez natação até os 14 anos e vai regularmente à academia —, gosta de sair e ir ao cinema. 
 
Quando se trata do futuro, Arthur espera coisas boas. "Sempre quis fazer engenharia e desejo me formar em engenharia espacial. Acho que agora vou conseguir me desenvolver no âmbito acadêmico, porque a escola te prepara para o básico, é mais superficial. Agora sim vou ter uma formação profissional. Estou animado", afirma. (*Por:
Talita de Souza * , Ana Flávia Castro * * Estagiárias sob supervisão de Ana Paula Lisboa)



 

Fonte: *Via CB-Clipping

COMENTÁRIOS