compartilhar

FEBRE AMARELA: Brasilienses lotam postos em busca da vacina contra a doença

A procura pela vacina da febre amarela na Grande Brasília tem movimentado postos de saúde. Preocupados com o surto registrado no País, brasilienses lotam as unidades em busca da imunização e relatam longas filas, o que têm se tornado rotina.


A dona de casa Rosinei Cardoso, de 39 anos, que compareceu hoje ao posto nº 12, na 208 Norte, questionou o atendimento. “Já passei por muitos locais e todos estavam em falta. Aqui tem a dose, no entanto, o atendimento é péssimo. As filas são enormes e o tempo de espera é exorbitante”, conta.


Segundo a diretora da unidade, Josiane Cunha, a procura pela vacina cresceu muito. “Apesar de toda a procura, nós não estamos sofrendo nenhum surto. A sociedade autodecretou uma campanha e ela não existe”, afirma. “Durante todo o ano, nós oferecemos a vacina e não tivemos procura. Agora, estamos sofrendo com essa superlotação. Mas estamos fazendo o possível para atender a todos. Por dia, atendemos 200 pessoas e a reposição do estoque ocorre todos os dias”, garante.


Com o estoque limitado, senhas são distribuídas diariamente, como ocorre com o posto nº 7, na 612 Sul. “Aqui, realizamos as entregas de senhas, pois a procura cresceu bastante e, com o fluxo, precisamos de organização e controle para que todos sejam atendidos”, informa um funcionário.


Alguns pacientes, no entanto, não estão gostando do método aplicado. “Cheguei cedo para pegar a senha e ainda assim não consegui. Quantas são distribuídas? Não tem lógica elas acabarem em menos de 30 minutos”, questiona a jovem.

Saiba mais

  • A Secretaria de Saúde do Distrito Federal informou que recebeu, no mês de janeiro, 50 mil doses da vacina contra a febre amarela – 30 mil doses a mais do que a fornecida mensalmente à unidade federativa pelo Ministério da Saúde.

  • O reforço, segundo a pasta, se deve ao aumento da procura pela vacina após a confirmação do primeiro óbito por febre amarela registrado no Distrito Federal. A vítima, um homem de 40 anos que veio infectado de Januária (MG) para a capital federal, morreu na última sexta-feira (18).

  • Desde o anúncio do óbito, três novos casos da doença foram notificados na unidade federativa, mas todos foram descartados por meio de exames feitos pelo Laboratório Central. A identidade e demais informações dos pacientes, segundo a secretaria, não podem ser divulgadas.

 

Vacinação

A Secretaria de Saúde do GDF alerta que a população deve evitar a vacinação de forma desnecessária, o que pode ser prejudicial ao organismo. Segundo a secretaria, quem já tomou duas vacinas contra a febre amarela, ao longo da vida, não precisa mais ser imunizado contra a doença.


O esquema para crianças é uma dose aos 9 meses de vida e um reforço aos 4 anos de idade. Para quem nunca tomou e já está na fase adulta, é necessário apenas uma dose e, após 10 anos, o reforço.

Ontem (25), o Ministério da Saúde anunciou o reforço de 11,5 milhões de doses. Além destas, este ano foram entregues 5,5 milhões de doses aos estados. Em anos em que não houve surto, foram distribuídas entre 800 mil e 1 milhão de doses do imunizante.


GO e MS registram primeiros casos 

O Ministério da Saúde registra 550 casos suspeitos de febre amarela no país em 2017, segundo boletim atualizado divulgado hoje (26). Mato Grosso do Sul e Goiás aparecem pela primeira vez na lista de estados com casos suspeitos da doença este ano, com um registro cada.

Dos 550 casos notificados até agora, 72 foram confirmados, 23 descartados e 455 continuam sob investigação. Minas Gerais tem 502 notificações da doença, o Espírito Santo, 33; a Bahia, sete; e São Paulo, três.

Ministério estuda vacinar todas as crianças

O Ministério informou, também, que vai discutir a incorporação da vacina contra febre amarela para crianças de todo o País. Atualmente, o imunizante é indicado para maiores de seis meses que vivem em áreas consideradas de risco.(*Por:Joyce Coelho, com agências)

 

 

Fonte: *Via JBr/Clipping

COMENTÁRIOS