compartilhar

POR ENQUANTO, NÃO!: Rollemberg volta a descartar racionamento de água no Plano Piloto

Governador do DF disse que, por ora, medida não é necessária. Decisão é criticada por especialistas, por entenderem que 'poupa mais ricos'.

O governador Rodrigo Rollemberg voltou a descartar nesta segunda-feira (30), pelo menos neste primeiro momento, a possibilidade de decretar racionamento no Plano Piloto, região do Distrito Federal onde já há redução da pressão da água.

 

Segundo ele, a decisão é "extretamente técnica e transparente", a cargo da Caesb e da Agência Reguladora de Águas (Adasa).


 

Imagem relacionada"Neste momento, eles [os técnicos da Caesb e da Adasa] identificaram que medida adequada é a redução de pressão e, se em algum momento detectarem que é necessário racionamento no Plano, isso será feito", declarou o governador.

 

A decisão de racionar água em parte da Grande Brasília e poupar outras localidades é criticada por especialistas. Um dos técnicos ouvidos pelo G1, o especialista em gestão de água José Galizia Tundisi afirma que o modelo adotado acaba poupando os mais ricos e não divide os impactos da crise por igual. "O recomendado seria fazer o racionamento para toda a cidade. O mais grave é que o corte vale mais para a periferia, o que pode ter uma conotação política perversa."

Resultado de imagem para torneira com redução de pressão de agua

Nesta segunda, as medidas de restrição de água afetam o Gama e a Asa Norte. Abastecido pelo reservatório do Descoberto, o Gama passa por racionamento pela terceira vez e fica por pelo menos um dia sem água. Já a Asa Norte, abastecida pelo reservatório de Santa Maria, sofre redução de pressão, com a água chegando "mais fraca" em torneiras e chuveiros dos imóveis do local.


O "rodízio" afeta todas as regiões que são abastecidas pelo reservatório do Descoberto, o maior da capital. O corte no fornecimento está autorizado desde 10 de novembro, mas ainda não tinha sido implementado – e agora, não tem data prevista para terminar.

Na Asa Norte, não há data para suspensão da medida. Segundo a Caesb, a expectativa é de redução de 3% a 5% no consumo. Na quinta (2), quando a Asa Norte estiver "regulada", as equipes passam a reduzir a pressão de Asa Sul, Noroeste e Sudoeste. No dia 6, o trabalho começa no Lago Norte, e no dia 9, no Lago Sul.


A redução de pressão no Jardim Botânico começa no dia 13, e no Paranoá, Itapoã e Setor de Mansões do Lago Norte, no dia 15. No dia 17, o cronograma termina com a inclusão do Setor de Oficinas (SOF) Sul e os condomínios do Park Sul. 

Nesta segunda, o reservatório do Descoberto operava com 24,08% da capacidade e o de Santa Maria, com 40,42%.


 

Áreas poupadas

 

Segundo a a Caesb, algumas localidades do Grande Brasília são abastecidas diretamente por reservatórios, e não sofreram a redução de pressão nesse primeiro momento. A lista inclui Cruzeiro, Octogonal, Setor de Indústria e Abastescimento, SCIA/Estrutural, Setor Militar Urbano, Varjão, Taquari e Jardins Mangueiral.

Nas regiões abastecidas pelo Descoberto, e que passam por racionamento desde o dia 16, a redução de pressão teve início em novembro. Naquele mês, as áreas abastecidas por sistemas isolados – Brazlândia, Sobradinho e Sobradinho II, Planaltina e São Sebastião – também tiveram a pressão da rede reduzida, e chegaram a passar por um curto racionamento.


 

Arrecadação

 

Sobre o aumento de 11,6% na arrecadação de 2016 em comparação com 2015, Rollemberg disse que o montante vai servir para diminuir o déficit do governo, pagar parte da dívida da gestão anterior e seguir pagando servidores em dia. Segundo ele, o DF tem que continuar aumentando a arrecadação todo ano. Em 2016, o governo arrecadou R$ 14,7 bilhões – contra os R$ 13,2 bilhões do ano anterior.

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS