compartilhar

"VISTORIA": Na volta às aulas, escola da Asa Sul faz "blitz"para fiscalizar peso de mochilas

Ação estimula uso de mochilas de rodinhas e ajuste correto das alças. Volume nas costas não pode ser superior a 10% do peso do aluno, dizem especialistas. Veja outras dicas.

O ano letivo começou com uma campanha de fiscalização de mochilas em uma escola particular na Asa Sul, em Brasília.

 

Chamada "Blitz das Mochilas", a ação reuniu cerca de cerca de 30 profissionais – entre professores e assistentes pedagógicos – na manhã desta sexta-feira (3) para pesar as mochilas dos alunos do 6º ao 9º ano do centro. As aulas iniciaram na segunda (30).

Resultado de imagem para ALUNO COM MOCHILA

Quem estava com a mochila nas costas foi parado na blitz para a pesagem. Se a mochila estivesse acima de 10% do peso do aluno, ganhava um adesivo vermelho. As mochilas mais leves e as de carrinho ganharam adesivo verde.


De acordo com o assistente psicopedagógico Ricardo Trimm, a ação é uma forma de conscientizar os estudantes sobre os prejuízos que os peso excessivo nas costas pode gerar à saúde. "É também uma forma de acabar com aquele mito de que não podem usar mochila de rodinha porque é pagar mico."


Resultado de imagem para DICAS

 

O psicopedagogo afirma ter notado um aumento no número de estudantes com mochilas de rodinha ao longo dos anos. “Se for usar mochila de alça, que seja com as duas, na altura da cintura, para evitar problemas na coluna”, sugere.

Segundo ele, o armário também é uma alternativa que a escola oferece para aliviar o peso da mochila.

A estudante do 9º ano Fernanda Gonçalves, de 13 anos, foi reprovada na blitz pelo terceiro ano consecutivo. Desta vez, a mochila estava pesada e abaixo da cintura. “Eu sei que é muito ruim, atrapalha a coluna, mas fica feio com ela [ajustada] lá em cima.”


Ela não tem armário na escola e, por isso, afirma que nos dias com muitas disciplinas diferentes, o sobrepeso da mochila é inevitável. “Quando tenho muitos horários preciso trazer todos os livros.”

Para amenizar o problema, o colégio sugere que os alunos levem somente o necessário na mochila, que vistam sempre as duas alças e ajustem a altura ao centro das costas. Até para quem usa a de rodinhas, a alça precisa estar ajustada à altura das mãos.


O estudante Kenzo Reis, de 14 anos, usou mochila de carrinho até 2015, quando estava no 7º ano. Há dois anos ele passou a carregar os livros nas costas e foi reprovado na blitz. “Usei rodinha até ano retrasado, depois fica meio humilhante. Usar quando todo mundo tá com mochila de costas.”

Este é o quarto ano da "Blitz das Mochilas" no Colégio Marista, que acontece sempre na volta das aulas em fevereiro. A ação continua durante o ano letivo com campanhas audiovisuais transmitidas nas TVs das salas de aula e com a distribuição de panfletos que estimulam o uso de mochilas mais leves. Se na volta das férias de julho a garotada retomar o mau hábito, a fiscalização acontece de novo.

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS