compartilhar

TECNOLOGIA: Secretaria de Saúde do GDF começa substituição de papelada por arquivos online

Para secretário, novidade permite economia de impressão e agiliza trâmites burocráticos. Pasta prevê redução de pelo menos metade do prazo de 90 dias nos processos de pagamento.

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal iniciou o trâmite para digitalizar a papelada que circula pela pasta. O órgão estima que até o fim do ano todos os documentos sejam exclusivamente eletrônicos.

 

Segundo a secretaria, além de economizar papel e impressão, a novidade vai agilizar a burocracia interna.

Ao G1, o secretário de saúde, Humberto Fonseca, disse ter assinado na quarta-feira (1º) um processo eletrônico com informações sobre o patrimônio da pasta, como móveis e equipamentos. “Foram 6 mil páginas, que formariam 30 volumes e que deixaram de ser impressas e numeradas”, afirmou.


 

“Esse processo vai trazer uma agilidade muito maior, principalmente nos processos de pagamento. E inclusive maior controle e transparência tanto pela secretaria quanto por órgãos de controle externo”, continuou o secretário.

 

Dando um exemplo, ele afirma que um processo para pagar fornecedores demora cerca de 90 dias para tramitar pelo Fundo de Saúde – que controla os pagamentos do setor. “A gente espera reduzir esse tempo pelo menos pela metade”, declarou Fonseca.

Fora esses pontos, a secretaria também argumenta que a novidade vai trazer maior facilidade para acompanhar os processos, maior controle nos prazos, reduzindo a necessidade de arquivamento e os custos de transporte.

Para tornar os processos digitais, a pasta começou a utilizar o Sistema Eletrônico de Informação (SEI), uma plataforma online ligada à Secretaria de Planejamento. O sistema vem de uma cooperação técnica entre o governo federal e GDF. Segundo a secretaria, não houve custos.

Sem internet

 

A mudança, no entanto, ocorre em um período em que as unidades de saúde da Grande Brasília sofrem com a falta de internet e telefone há pelo menos cinco meses. Isso por causa de atraso no pagamento da conta de telefone da secretaria. De acordo com a pasta, a dívida com a operadora supera R$ 28 milhões.

A falta de conexão prejudica serviços, como entrega de resultados de exames e liberação de medicamentos. Sem internet, os funcionários também afirmam que não é possível fazer o pedido de novos remédios. O posto de saúde do Gama é um dos quais há falta de remédios nas prateleiras das farmácias.

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS