compartilhar

AEDES AEGYPTI: Grande Brasilia registra 481 casos prováveis de dengue em 2017

Número de ocorrências representa 5% dos registros feitos no mesmo período de 2016. Dados foram divulgados nesta quarta-feira (8)

Desde o início de 2017, foram registrados 754 casos suspeitos de dengue. Destes, 481 são prováveis — 389 em residentes do Distrito Federal. No mesmo período, em 2016, foram 8.175 notificações prováveis — 7.732 em moradores locais.


Os números deste ano representam 5% dos casos registrados no ano passado, quando houve uma epidemia da doença, transmitida pelo mosquito Aedes aegypti.

Os dados são do Informativo Epidemiológico nº 10, divulgado pela Secretaria de Saúde nesta quarta-feira (8).


As cidades-satélites de Ceilândia, Gama, Planaltina, Recanto da Emas, São Sebastião, Santa Maria, Samambaia, Sobradinho I, Sobradinho II, Taguatinga e Vicente Pires concentram 78% das infecções prováveis, o equivalente a 302 registros.


Dessas, 46 ocorreram no Gama, 45 em São Sebastião e 37 em Planaltina, as três com maior incidência da doença. Nesse período, não foram registradas infecções graves nem mortes por dengue em residentes na Grande Brasilia. No mesmo intervalo de 2016, foram 14 casos graves e nove óbitos.


Febre chikungunya e zika vírus 

As notificações prováveis de febre chikungunya somaram 36, sendo 25 em moradores daqui e 11 de outras unidades federativas.

As ocorrências locais estão distribuídas por Santa Maria (4), Taguatinga (4), Gama (3), Samambaia (3), Ceilândia (2), Lago Norte (2), Paranoá (2), Guará (1), Itapoã (1), São Sebastião (1), Sobradinho (1) e Vicente Pires (1).


Quanto às infecções pelo zika vírus, foram anotados 24 registros prováveis. Desses, 16 residem na Grande Brasília e oito moram em outras localidades. As ocorrências foram registradas em Vicente Pires (3), Samambaia (2), Santa Maria (2), Guará (2), Gama (1), Águas Claras (1), Asa Sul (1), Lago Sul (1), Paranoá (1), São Sebastião (1) e Taguatinga (1).

Até o momento, há um caso confirmado de infecção aguda pelo vírus zika em gestante.

 

COMENTÁRIOS