compartilhar

CRISE HÍDRICA: Início da captação de água no Bananal está previsto para o segundo semestre

Novo subsistema será integrado ao Santa Maria-Torto e vai ajudar no abastecimento de recursos hídricos em 11 regiões administrativas Comentar

A conclusão das obras do subsistema Bananal está prevista para ainda este ano.

As intervenções da primeira grande obra de captação de água desde a Bacia do Piripipau, há 16 anos, tiveram início em novembro de 2016. O novo subsistema vai ser integrado ao Santa Maria-Torto e reforçar o abastecimento de água em 11 locais de Brasília.

Resultado de imagem para captação de água no Bananal df

Já foram concluídas as fundações da elevatória que vai direcionar para as adutoras de água bruta do sistema Santa Maria-Torto. A construção da estrutura da sala de bombas e operação teve início, e os blocos e as cintas da subestação foram concretados.

A obra vai incluir captação de água e bombeamento para a Estação de Tratamento de Água Brasília.


Com investimento de R$ 20 milhões, recursos provenientes do Banco do Brasil, a captação e adução do Bananal vai ter capacidade para vazão média de 726 litros por segundo e beneficiará cerca de 170 mil habitantes.

A variação deve ir de 500 litros por segundo em setembro até o máximo de 750 litros por segundo de novembro 2017 a maio 2018.


A água será captada no Ribeirão Bananal e injetada na tubulação adutora que conduz água do Lago de Santa Maria à Estação de Tratamento de Água de Brasília. “A nossa expectativa é colocar o subsistema em operação até o fim do ano e termos em funcionamento o sistema Santa Maria-Torto-Bananal”, afirma o presidente da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), Maurício Luduvice.


As localidades abastecidas pelo Sistema Santa Maria-Torto são Cruzeiro, Itapoã, Jardim Botânico, Lago Norte, Lago Sul, Paranoá, Plano Piloto, Setor Complementar de Indústria e Abastecimento (Scia)/Estrutural, Setor de Indústria e Abastecimento (SIA), Sudoeste/Octogonal e Varjão.


Outras obras para melhorar a captação de águaResultado de imagem para captação de água no Bananal df

Outra obra em curso para dar mais tranquilidade ao abastecimento de Brasília é a construção de sistema de captação e distribuição de água na Barragem de Corumbá IV, próximo a Luziânia (GO), que conta com investimentos do GDF, de Goiás e do governo federal. A previsão é que fique pronto em 2018.

A água captada nele servirá a brasilienses e goianos.


Em fase de negociações com o governo federal, está o plano emergencial de captação de água do Lago Paranoá.

A execução depende de aval do Ministério da Integração Nacional, que analisa a proposta apresentada em fevereiro pelo Executivo local. Orçado em R$ 50 milhões, o projeto visa captar 700 litros de água por segundo para reforçar o abastecimento das cidades-satélites atendidas pela Barragem do Descoberto.

A Caesb tem, ainda, outro projeto para captar, armazenar, tratar e distribuir água do Lago Paranoá, que está licitado, mas aguarda a liberação de recursos da União para o início das obras. Quando ficar pronto, o Sistema Paranoá atenderá cerca de 600 mil moradores do Paranoá, de São Sebastião, do Lago Norte, de Sobradinho, de Sobradinho II, dos condomínios do Grande Colorado e de Planaltina.

 

COMENTÁRIOS