compartilhar

30 METROS DO PARANOÁ: Agefis retoma desobstrução na Orla do Lago Norte e moradores reclamam

Moradores denunciam que fiscais estão destruindo estruturas além da área de 30 metros do Lago Paranoá, conforme consta na decisão judicial

A agência de Fiscalização do Distrito Federal (Agefis) retomou a desobstrução da Orla do Lago Norte nesta quarta-feira (22/3). De acordo com o órgão, equipes estão trabalhando na QL 6/8 do bairro.
Moradores da quadra reclamam que foram pegos de surpresa e denunciam que os fiscais estão destruindo estruturas além da área de 30 metros do Lago Paranoá, conforme consta na decisão judicial.

“Nós não estamos resistindo à determinação judicial, só queremos o cumprimento do exato espaço que o juiz determinou. Na última semana, um agente veio e demarcou os terrenos, mas existem áreas que não podem ser atingidas e não vamos permitir que eles avancem”, disse o agropecuarista Ludgero Santana, 63 anos, morador da QL 6.

A Agefis afirma que os moradores foram notificados e que a medição da área a ser desobstruída segue o que foi definido pela Justiça. A desocupação foi determinada em 2015, já que todo os espaço da margem do Lago Paranoá até 30 metros é considerado Área de Proteção Ambiental (APP).Michael Melo/Metrópoles

 

Para o arquiteto Marcos Drumond, presidente da Associação de Moradores da QL 12 do Lago Sul, “o governo não pode usar de uma medida judicial para promover alterações urbanas. Essa é a repetição da operação de 2015 que deu errado e o GDF parece que não aprendeu”, destacou. Segundo ele, a desobstrução é para garantir uma área livre e o governo tem planos de ocupá-la com outras estruturas. Ele relata, ainda, que em alguns casos houve avanço de até 90 metros.

Segundo moradores, o vice-governador Renato Santana (PSD) cumpria uma agenda na vizinhança da quadra e visitou a área a ser desobstruída. A reportagem tentou contato com a assessoria do vice-governador, mas não obteve resposta até a publicação da matéria.

A Agfis informou que todos os moradores foram notificados sobre a derrubada.

 

Fonte: *Via Metropole/Clipping

COMENTÁRIOS