compartilhar

GREVE DOS PROFESSORES: Sem nova proposta do GDF, categoria defende manutenção da paralisação das atividades

Negociações entre governo e docentes ainda não avançou. Nesta quinta, categoria votará, em assembleia, a mesma proposta já recusada na terça

Um dia depois de decidirem em assembleia permanecer em greve e garantir a manutenção do apoio de deputados distritais na interlocução com o Buriti, os professores da rede pública não receberam qualquer proposta nova do Executivo na reunião de negociação realizada na manhã desta quarta-feira (5/4).


O Governo do Distrito Federal mantém a oferta, recusada pela categoria na assembleia da terça (3/4), de garantir o pagamento em atraso das licenças-prêmio dos educadores, e de outras categorias do funcionalismo público do GDF, com um recurso total de R$ 100 milhões.

 

Aumentos salarial e no valor de benefícios, além do pagamento da última parcela do reajuste concedido em 2013, estão fora de questão. Assim, a perspectiva é de que a greve dos educadores, deflagrada em 15 de março, siga por tempo indeterminado, mesmo com o movimento sendo considerado ilegal pela Justiça.Michael Melo/Metrópoles


“O governo manteve a mesma posição, reafirmando a sua pouca responsabilidade com a Educação. Já estamos no 22º dia de greve e o governo se mantém como no início. Estamos abertos a dar continuidade à negociação para que se encontre uma alternativa”, destacou a diretora do Sindicato dos Professores (Sinpro-DF) Rosilene Correa.


 

“Os R$100 milhões para pagamentos de pecúnias está mantido, porém isso não atinge a totalidade da categoria e não é a solução para o impasse da greve”, acrescentou a sindicalista. Nenhum representante do GDF se pronunciou após o encontro com a comissão de professores. Segundo a assessoria de imprensa do Buriti, a posição do governo será encaminhada em nota, posteriormente.


Deputados Distritais
Cumprindo a promessa feita pela manhã aos professores, cinco deputados distritais se reuniram ainda na terça (4/4) com o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) para discutir a paralisação. Os deputados Reginaldo Veras (PDT), Ricardo Vale (PT), Wasny de Roure (PT), Chico Vigilante (PT) e Joe Valle (PDT), presidente da Câmara Legislativa, deixaram o Buriti considerando a reunião “produtiva”.


“O governador estava receptivo e reconheceu que os professores merecem um tratamento diferenciado. Nós pedimos para que ele apresente alguma proposta mais palpável à categoria e oferecemos sugestões, que ele prometeu levar em consideração. Vamos torcer para que amanhã (quarta-feira) saia algo concreto e a greve chegue ao fim”, declarou o também professor Reginaldo  Veras após a conversa com Rollemberg. Sua previsão não se confirmou.


A assembleia dos professores está marcada para as 9h30 desta quinta, na Praça do Buriti. Na última terça, cerca de 2 mil docentes votaram, no mesmo local, pela manutenção da paralisação, que contava com adesão de 60% da categoria, segundo o Sinpro-DF.(*Por:Nathália Cardim)

 

NOTA DO GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL

 

O governo recebeu pela décima-segunda vez representantes sindicais dos professores para a tentativa de um acordo para por fim à greve de parcela da categoria.

 

Na reunião, o governo reiterou as seguintes propostas:

 

1. Pagamento de R$ 100 milhões de pecúnias a todos os servidores públicos do Distrital Federal, que beneficiará os professores que representam cerca de um terço do total;

 

2. Compromisso de que o Governo de Brasília não adotará a nova lei de terceirização aprovada recentemente pelo Congresso Nacional na atividade fim da educação;

 

3. Compromisso de que não encaminhará qualquer proposta de reforma previdenciária do funcionalismo distrital sem antes uma ampla discussão com toda a sociedade brasiliense.

 

4. O pagamento da reposição dos dias parados ocorrerá de acordo com a reposição das aulas, mês a mês.

 

5. O Governo comunicou aos representantes sindicais dos professores que não tem como atender as demais reivindicações da categoria pela reconhecida situação crítica das finanças públicas do Distrito Federal.

 

Fonte: *Via Metropole/Clipping

COMENTÁRIOS