compartilhar

SE PUDER, AJUDE: Idosa de 90 anos precisa de apoio para comprar remédio contra o câncer

Família pede ajuda para arrecadar dinheiro para compra de medicação que está em falta na rede pública de saúde do Distrito Federal

A luta da aposentada Maria de Lourdes Corrêa da Fonseca, 90 anos, contra o câncer de mama está mais dolorosa por conta da burocracia do poder público.

Há dois meses, ela está sem acesso à medicação de combate à doença, cuja distribuição foi suspensa pela rede pública de saúde.


Cansada de esperar, a família de Maria de Lourdes, que mora em Alto Paraíso de Goiás, está pedindo ajuda para arrecadar o valor, que seria de R$ 600 por uma cartela com 30 comprimidos. Ela faz tratamento com anastrozol.


Segundo informações da filha, a professora e atriz, Lúcia Helena Corrêa da Fonseca, 47, dona Lourdinha foi diagnosticada com câncer de mama há dois anos e faz tratamento com medicação oral, já que, pela idade avançada, não pode passar por quimioterapia nem por cirurgia.


De acordo com Lúcia, dona Lourdinha está desde fevereiro sem o medicamento, que recebia no Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF). A família diz que não tem condições de arcar com o custo do anastrozol e, por isso, pede ajuda. O neto dela, Leonardo Corrêa, 29, chegou até a fazer uma postagem no Facebook (confira abaixo).

REPRODUÇÃO/WHATSAPPREPRODUÇÃO/WHATSAPP
Receituário de Dona Lourdinha

Em nota, a Secretaria de Saúde informou que a rede não pode fornecer o medicamento por que a fabricante não tem Certificado de Boas Práticas de Fabricação (CBPF), emitido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

 

A secretaria destacou que, quando a empresa não possui o documento, é preciso retornar a licitação à fase inicial, o que acaba atrasando o processo e provocando o desabastecimento. A Anvisa confirmou que a empresa não possui CBPF para produzir e distribuir o anastrozol, o que não impede a sua comercialização.

Para ajudar na compra dos remédios para Dona Lourdinha entre em contato com Lúcia Corrêa, por meio do telefone: 61 98157-8452.

 

 

 

Fonte: *Via Metropole/Clipping

COMENTÁRIOS