compartilhar

ALUGUEL E VENDA: Preço de imóveis na capital federal apresenta leve recuperação depois de queda em 2016

Levantamento do Sindicato da Habitação do Distrito Federal mostra que crise econômica foi responsável pela retração do mercado. Empresários do setor buscam facilitar contratos para atrair clientes.

O preço dos imóveis na Grande Brasília caiu no ano passado, mas a comercialização já apresenta leve recuperação nos primeiros meses de 2017.

 

Os dados referentes à venda e locação foram divulgados nesta quarta-feira (19) pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (Secovi-DF)


De acordo com o Anuário da Conjuntura Imobiliária 2016 do Distrito Federal, o Custo Unitário Básico (CUB/m²), para uma região central de Brasília, teve seu pior momento em junho passado, quando caiu a R$1.143 .

Mas desde dezembro, afirma o Secovi, a venda de imóveis apresentou leve recuperação e em fevereiro deste ano o CUB/m2 chegou a R$ 1.221.


"Os preços voltaram a subir – embora ainda de forma quase imperceptível –, em função da redução da taxa Selic (taxa básica de juros), fator que voltou a atrair pessoas para o financiamento da casa própria", afirma o presidente do Secovi-DF, Carlos Hiram.


Especialistas dizem que a redução no preço dos imóveis em 2016 está relacionado diretamente à crise econômica. Prova disso, segundo eles, foi a queda de 41,5% de imóveis financiados no Brasil inteiro. De acordo com a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança, em 2016 foram 199,7 mil imóveis financiados. Enquanto que em 2015 o número chegou a 341,5 mil imóveis financiados.

Resultado de imagem para aluga-SE brasilia df

De acordo com o presidente do Secovi-DF, o mercado de locação foi o que sentiu mais os efeitos da crise. Hiram afirma que muitos moradores do DF mudaram o padrão de escolha na hora de fechar o contrato de aluguel.


 

"Vimos pessoas saindo de imóveis maiores e mudando para menores. Devolvendo seus apartamentos e indo morar com amigos ou voltando para casa de pais.”

 

Hiram atribui o mal desempenho de 2016 ao crescimento do desemprego e disse que o mercado imobiliário depende muito do desempenho da economia nacional, mas que hoje, as expectativas são boas. Atualmente são 9,7 mil imóveis residenciais disponíveis para locação no DF, segundo dados da entidade.

 

Driblando a crise

 

Diante da crise econômica e queda dos preços, alguns empresários do setor imobiliário do Distrito Federal começam a pensar em facilidades para o cliente e assim tornar o mercado mais atrativo.

É o caso da startup CredPago, fundada por dois empresários do ramo imobiliário de Santa Catarina, que presta serviço online para locações imobiliárias. De acordo com Jardel Cardoso, ele e o sócio fizeram uma pesquisa e constataram que 97% dos casos de inadimplência acontecem por problemas financeiros.


“Vimos que não é uma questão de mau caratismo, é um problema momentâneo", disse Cardoso. A partir da realidade do mercado, a startup criou um serviço para parcelar faturas de aluguel em atraso, diminuindo ações de despejo nos casos de inadimplência. E outro que facilita o processo de garantia para quem busca uma locação de imóvel.

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS