compartilhar

AEDES AEGYPTI: Grande Brasília tem redução de 90 por cento em casos de dengue em relação a 2016

Secretaria de Saúde registrou 1.588 casos prováveis da doença até a última semana de abril

A capital federal, e suas cidades-satélites, apresentaram queda de cerca de 90% nas ocorrências de dengue, doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, até a 17ª semana epidemiológica deste ano (de 23 a 29 de abril), em relação ao mesmo período de 2016. Foram 1.588 casos prováveis, contra 16.520.


Do total de incidências de 2017, 1.358 são de residentes no Distrito Federal e 230, de outras unidades da Federação.

Os dados constam do Informativo Epidemiológico nº 18, divulgado pela Secretaria de Saúde nesta quarta-feira (3).


Até o momento, de acordo com o balanço, identificaram-se seis casos graves, e não houve morte causada por dengue em moradores locais.

No mesmo período de 2016, ocorreram 32 infecções graves e 18 óbitos entre residentes do Distrito Federal.


As cidades-satélites mais atingidas foram: Samambaia (167), São Sebastião (150), Planaltina (142), Gama (134), Santa Maria (117), Ceilândia (118), Taguatinga (67), Guará (52), Sobradinho II (47), Recanto das Emas (40) e Sobradinho (40).


Febre chikungunya e zika vírus

Ainda segundo o levantamento da Saúde, anotaram-se 76 registros prováveis da febre chikungunya. Desses infectados, 59 vivem na Grande Brasília e 17, no Entorno.

As maiores incidências foram encontradas nas seguintes localidades: Samambaia (9), Taguatinga (8), Santa Maria (7), Ceilândia (6), Gama (4), Guará (4), São Sebastião (4), Paranoá (3), Lago Norte (2), Planaltina (2), Sobradinho (2), Sobradinho I (2) e Vicente Pires (2).


O vírus da zika atingiu 40 pessoas. Dessas, 29 moram na capital federal e 11, em outras unidades federativas. A maior parte dos casos prováveis da enfermidade ocorreu em Santa Maria (5), em Samambaia (4), em Sobradinho (3), Vicente Pires (3), na Asa Sul (2), no Riacho Fundo I (2), no Guará (2) e em Taguatinga (2).

Não houve casos confirmados de doença aguda causada pelo zika vírus em gestantes do Distrito Federal.

 

COMENTÁRIOS